Giro

Shopee encerra operações na Índia por “incertezas do mercado”

Crédito: Divulgação - Shopee

E-commerce Shopee demitiu cerca de 50 dos cerca de 1,5 mil funcionários que a companhia, com dois escritórios na capital paulista, afirma ter por aqui (Crédito: Divulgação - Shopee)



A Shopee, empresa de comércio eletrônico, decidiu deixar suas operações na Índia. A decisão ocorre poucos meses depois de a empresa começar a operar na Índia. Em nota divulgada nesta segunda-feira (28), a empresa disse que lamentava informar que a plataforma Shopee Índia encerraria as operações a partir do dia 29 de março.

+ Governo prepara MP contra plataformas como Shopee e AliExpress; entenda

“Tenha certeza de que todos os pedidos feitos antes desta data continuarão sendo atendidos como de costume, e os serviços de suporte pós-venda continuarão disponíveis para todos os usuários que fizeram compras em nossa plataforma. Se você tiver alguma dúvida, entre em contato em help@support.shopee.in”, disse a empresa em comunicado.

A empresa afirmou ainda que sua retirada ocorreu “em vista das incertezas do mercado global” e que a empresa tornaria “o processo o mais suave possível”.




Os negócios da Shopee na Índia começaram em outubro de 2021 como parte de um impulso internacional agressivo. O valor de mercado da Sea na época era de US$ 200 bilhões. Desde então, caiu para US$ 64,76 bilhões.

Uma pessoa familiarizada com a empresa disse que a decisão de sair da Índia foi desencadeada em parte por um escrutínio regulatório mais rigoroso, como o banimento do aplicativo de jogos Free Fire, parte de uma repressão a empresas que supostamente enviam dados para servidores na China.

A pessoa disse que a Shopee planejava investir até 1 bilhão de dólares na Índia e que a retração prejudicaria as empresas de logística indianas com as quais assinou contratos lucrativos.


A empresa, solicitada a comentar o número, contestou o número como “não preciso”, sem dar detalhes, dizendo que “a decisão sobre o Shopee India não tem nada a ver com questões regulatórias”.