Finanças

Setor de criptomoedas cresce e chama a atenção de autoridades e reguladores

O setor de criptomoedas está se tornando tão grande e permitindo tanta tomada de risco que os governos pelo mundo têm reforçado a atenção sobre ele. O bitcoin superou a marca de US$ 50 mil nesta segunda-feira e o valor total desse mercado agora supera US$ 900 bilhões, mais que a maioria das companhias pelo mundo. Moedas digitais chamadas stablecoins seguem exibindo mais negociações e emissões. Bolsas de criptomoedas gigantes na Ásia muitas vezes servem a operadores em países nos quais seus produtos não são legais.

Após anos de relativa desatenção, reguladores e legisladores buscam correr atrás nesse tema, o que não deve ser fácil. Eles buscam controlar um setor rebelde, que tem adotado a tecnologia global para emitir novos produtos de modo agressivo, deixando muitas vezes questões de compliance regulatório em segundo plano.

Algumas das maiores companhias de criptomoedas estão sob pressão crescente. Nas últimas semanas, a Binance, maior bolsa de criptomoedas do mundo, foi barrada ou advertida sobre oferecer certos investimento nesse setor em Reino Unido, Itália, Alemanha, Holanda, Japão e Hong Kong.

A BitMEX, outra grande bolsa do segmento, pagou US$ 100 milhões para encerrar uma investigação regulatória sobre alegações de que vendia derivativos de modo ilegal e por regras frouxas para evitar lavagem de dinheiro.



No setor, poucos esperam que o segmento de criptomoedas, fortalecido nos últimos 18 meses no valor e no interesse por seus produtos, mude de repente suas práticas. Reguladores têm se voltado como nunca antes sobre o setor, mas até agora a coordenação parece limitada e jurisdições cruciais buscam abordagens bastante divergentes.

Há questões sobre proteção ao investidor, o cumprimento de regras de combate à lavagem de dinheiro e de financiamento ao terrorismo, acesso a infraestrutura bancária e de pagamentos e evasão fiscal. É um mercado global, mas os Estados Unidos, a Europa e a China têm adotado abordagens diferentes para seu monitoramento.

Os EUA lançaram multas contra projetos que contornaram regras de proteção aos investidores, a Europa trabalha em regras especializadas, que demorarão um tempo para se implementar, e a China se lançou contra o setor, mas as bolsas dele se estabeleceram em locais próximos, mais amigáveis.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km