Economia

Setor aéreo queixa-se de infraestrutura na América Latina

As limitações de infraestrutura na América Latina dificultam o atendimento do aumento projetado da demanda de transporte aéreo nos próximos anos, alertou um líder do setor no Panamá na terça-feira.

“A demanda existe, e as companhias aéreas estão prontas para crescer e querem crescer, mas se não houver infraestrutura que permita, será muito difícil”, disse Peter Cerdá, vice-presidente da Associação Internacional de Transporte Aéreo das Américas (IATA), em um fórum no Panamá.

Segundo a IATA, a América Latina representa até 6% do transporte aéreo global e é o mercado que mais cresceu nos últimos anos. A região projeta um aumento de 4% a 6% no número de passageiros aéreos nos próximos 20 anos.

Contudo, “com a infraestrutura atual será impossível” atender a essa demanda, insistiu Cerdá.

Segundo ele, vários aeroportos da América Latina sofrem de um sério problema de saturação.

Cerdá chamou a atenção do cancelamento, pelo governo do presidente Manuel López Obrador, da construção de um novo aeroporto na Cidade do México.

“É um aeroporto que deveríamos ter construído há 20 anos e agora estamos novamente no começo”, afirmou.

Ele também destacou a paralisação das obras de expansão do aeroporto de Lima e o ano de atraso no de Santiago do Chile.

Apesar das dificuldades, a IATA está otimista com o aumento de voos devido ao crescimento da classe média, que mudou o transporte terrestre por via aérea, aumentando seu poder de compra.