Economia

Serviços operam 16,6% abaixo de pico registrado em novembro de 2014, diz IBGE

Passado o momento mais agudo da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus, o setor de serviços esboça recuperação, mas ainda está distante do pico alcançado anos atrás. Em outubro, os serviços ainda operavam 16,6% abaixo do ponto mais alto registrado em novembro de 2014. Os dados são da Pesquisa Mensal de Serviços divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os Serviços prestados às famílias estavam em agosto 40,8% abaixo do pico de outubro de 2013, enquanto os serviços de informação e comunicação operavam 4,8% aquém do auge alcançado em março de 2015.

Os Serviços profissionais, administrativos e complementares estavam em agosto 29,2% abaixo do ápice de dezembro de 2012, e os Transportes funcionavam 18,6% aquém do pico de novembro de 2014.

O segmento de Outros serviços chegou a agosto 10,9% abaixo do auge de agosto de 2011.



Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago