Edição nº 1057 16.02 Ver ediçõs anteriores

Será que Lemann conseguirá comprar a Unilever?

Será que Lemann conseguirá comprar a Unilever?

O estilo de fazer negócios de Jorge Paulo Lemann é agressivo. Dessa vez, ele tenta levar a Unilever. Conseguirá?

Ao longo de sua trajetória, o empresário Jorge Paulo Lemann destacou-se pela sua ousadia nos negócios, conseguindo alinhavar fusões consideradas impossíveis pelos analistas.

Nesta sexta-feira 17, a Kraft Keinz, que é controladora pelo seu fundo 3G, Berkshire Hathaway, de Warren Buffett, fez uma oferta de US$ 143 bilhões, em dinheiro e ações, para comprar a gigante britânica Unilever.

Em um primeiro momento, a oferta foi recusada pelos acionistas da Unilever. O que não quer dizer muito coisa em se tratando das estratégias de Lemann e seus asseclas. Foi assim em muitos negócios, como a recente compra da SABMiller, pela AB Inbev, em uma transação de US$ 108 bilhões.

A forma como Lemann transformou a falida Brahma em um império que o levou ao topo do mundo cervejeiro ilustra bem sua forma de fazer negócios.

Em 1989, Lemann em conjunto com Marcel Telles e Beto Sicupira comprou a Brahma, que passava por problemas financeiras. Dez anos depois, ele a uniu com a Antarctica, dando origem Ambev, a maior cervejaria do Brasil.

Para Lemann, que se notabilizou pela frase de que “sonhar pequeno e sonhar grande dá o mesmo trabalho”, ser o maior do Brasil era pouco.

Em 2004, ele fez a fusão da Ambev com a belga Interbrew. Quatro anos depois, foi a vez de avançar para cima da americana Anheuser Busch, que produzia a Budweiser. Em quase 20 anos, ele, de fusão em fusão, deu forma a maior cervejaria do mundo.

Com o fundo 3G, não foi diferente. Dessa vez, no entanto, ele mirou alvos internacionais, sempre na área de consumo.

Em 2010, o 3G fez sua primeira grande aquisição: a rede de lanchonetes Burger King, negócio fechado por US$ 3,3 bilhões. E, no estilo de ir fundir ativos, ele uniu o Burger King ao canadense Tim Hortons, em 2014, numa transação de US$ 11,5 bilhões.

Em 2013, em parceria com a empresa multinacional Berkshire Hathaway, do megainvestidor Warren Buffett, o 3G comprou a fabricante americana de ketchup H. J. Heinz Company, em um negócio avaliado à época por US$ 23,2 bilhões

Em julho de 2015, a Kraft Heinz Company anunciou a conclusão do processo de fusão entre Kraft Foods Group e Heinz Holding Corporation. A operação criou a terceira maior empresa de alimentos e bebidas da América do Norte e a quinta maior empresa de alimentos e bebidas do mundo.

Agora, Lemann quer uni-la a Unilever. O faturamento somado das duas empresas é US$ 84,8 bilhões. Está atrás apenas da Nestlé, que faturou US$ 91,2 bilhões no ano passado.

Analistas acreditam que dessa vez não será fácil convencer os acionistas da Unilever de que a transação vale a pena. É esperar para ver se o toque de Lemann conseguirá dobrar os britânicos. Mas, como disse a jornalista Cristiane Correa, biógrafo do empresário brasileiro: “Não há limite para Lemann”. A conferir os próximos capítulos.


Mais posts

Com fama de perder dinheiro, Amazon lucra por 11 trimestres consecutivos

O resultado do quarto trimestre de 2017 da Amazon foi recorde: lucro líquido de US$ 1,9 bilhão

Mercado Livre passa a emprestar dinheiro aos lojistas de seu marketplace

Depois de testar modelo por seis meses no Brasil, companhia anuncia a criação da divisão Mercado Crédito

Eike Batista anuncia no Twitter que está de volta

Em dois posts, o empresário avisou seus mais de 1,2 milhão de seguidores a ficarem ligados em seu novo canal no YouTube e Instagram, [...]

Por que o Walmart busca um sócio para a sua operação brasileira

Desde que decidiu unificar as operações online e offline, a varejista americana Walmart convive com os rumores de que vai deixar o [...]

Twitter conseguirá conquistar os insatisfeitos com mudanças do Facebook?

Rede social está diante de uma oportunidade de ouro desde que o Facebook anunciou mudanças no seu “news feed”
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.