Ciência

Professora tem que amputar braços e pernas após pegar covid-19

Crédito: Reprodução/NHS

Caroline Coster ficou em coma induzido por um mês e quase morreu em duas ocasiões. Ela pegou o vírus em março e agora está tentando se adaptar à nova vida (Crédito: Reprodução/NHS)

As sequelas da covid-19 ainda não são totalmente conhecidas por médicos e cientistas. Uma moradora da cidade de Bedford, na Inglaterra, está tendo que se adaptar à nova realidade depois das sequelas deixadas pelo novo coronavírus. Ela teve sepse causada pela doença, o que levou à amputação das pernas e braços.

A sepse normalmente é desencadeada por uma resposta inflamatória sistêmica acentuada, geralmente na maior parte do corpo, para uma infecção.

De acordo com a BBC, Caroline Coster, 58, ficou em coma induzido por um mês e quase morreu em duas ocasiões. Ela pegou o vírus em março e agora está tentando se adaptar à nova vida.

+ Mesmo depois da vacina, o uso de máscara será necessário por 2 anos, diz pesquisadora da Fiocruz
+ Novavax inicia programa de testes para avaliar eficácia e segurança de vacina



A professora teve que se aposentar, mas está otimista com a nova oportunidade. À BBC, ela disse que sua primeira vida foi boa e a segunda vida também vai ser boa.

Caroline destaca a importância de levar o coronavírus a sério. E alerta que mesmo que quem tem um histórico de saúde bom, como era o caso dela, pode sofrer com as sequelas da doença.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel