Política

Senadora opositora se declara presidente da Bolívia em sessão esvaziada

O partido Movimento para o Socialismo (MAS), presidido por Evo e que detém a maioria no Parlamento, havia pedido mais cedo 'altas garantias' para poder assistir às sessões parlamentares convocadas

LA PAZ – A opositora e segunda-vice-presidente do Senado da Bolívia, Jeanine Áñez, se declara presidente do país em uma sessão legislativa sem quórum. Ela havia convocado para esta terça-feira sessões extraordinárias no Parlamento para tentar resolver o vazio de poder após a renúncia do presidente Evo Morales, no domingo.

O partido Movimento para o Socialismo (MAS), presidido por Evo e que detém a maioria no Parlamento, havia pedido mais cedo “altas garantias” para poder assistir às sessões parlamentares convocadas.

“Estamos pré-dispostos a uma saída constitucional, quero que fique muito claro, conforme nossos companheiros manifestaram. Mas pedimos as mais altas garantias para podermos participar”, disse à imprensa a líder do MAS na Câmara dos Deputados, Betty Yañíquez, no primeiro pronunciamento do partido desde a saída de Evo.

Perfil
Entre lágrimas, a opositora aceitou na segunda-feira a difícil tarefa que lhe encomendaram: assumir a presidência interina da Bolívia, papel que lhe cabe segundo a ordem constitucional do país.

Jeanine Áñez, de 52 anos, nasceu em Trinidad, Departamento de Beni. Em 2010, foi eleita senadora da Bolívia pelo partido do Plano Progresso para a Bolívia – Convergência Nacional (PPB-CN). Na última eleição de 2015, participou da sigla Unidad Demócrata.

Entre os anos de 2006 e 2008, a senadora assumiu uma cadeira na Assembleia Constituinte para a redação da nova Carta. Graduada em Ciências Jurídicas e Direito, ela também participou da comissão de organização e estrutura do novo Estado, atuando no Poder Judiciário.

“Estou praticamente há dez anos fazendo oposição e não podemos dizer que estávamos em uma democracia plena. Não se pode falar de democracia quando há perseguidos políticos, quando há exilados políticos, quando a institucionalidade democrática é inexistente no país, quando não se respeita a Constituição”, declarou na segunda-feira.

Ela é casada com o político colombiano Héctor Hernando Hincapié Carvajal, membro do Partido Conservador Colombiano. Em seu perfil no Twitter, ela se define como uma “democrata, autônoma, mãe, e defensora da liberdade e da democracia”.

Para ser confirmada presidente interina da Bolívia, a senadora precisa da aprovação do MAS, que controla a Assembleia Legislativa desde 2010. / COM AFP e EFE