Edição nº 1122 24.05 Ver ediçõs anteriores

Sem tempo ruim na Tauá

Sem tempo ruim na Tauá

Construir a maior empresa de lazer e entretenimento do País. A meta parece ambiciosa, mas é o que empresário mineiro João Pinto Ribeiro, dono da rede de hotéis e resorts Tauá, definiu como objetivo para os próximos dez anos. Aos 73, ele vai investir cerca de R$ 200 milhões até 2021. O dinheiro vai ser utilizado para ampliar e modernizar suas unidades de Atibaia (foto acima), no interior de São Paulo, e de Caeté, em Minas Gerais, além de colocar em prática o mais ousado de seus projetos: construir parques aquáticos indoor, modelo que não existe no Brasil. “Viajamos para várias partes do mundo, da Turquia aos Estados Unidos, para encontrar o modelo ideal para nós aqui no Brasil”, afirmou Ribeiro, à DINHEIRO.

O plano é inaugurar um parque aquático indoor em cada resort da rede. O primeiro será na cidade do interior paulista, já no ano que vem. Em 2020, no Tauá Caeté. Em 2021, no Tauá Alexânia, entre Brasília e Goiânia. “Vamos criar algo totalmente inédito no Brasil. Nossos parques indoor terão os melhores equipamentos do mundo e garantirá que nossa ocupação se mantenha alta mesmo em dias frio, chuva, ou mesmo quando faz muito calor.” E os planos não param por aí. Ribeiro e seus dois filhos, Daniel e Lizete, que hoje comandam a administração do grupo, estão negociando a compra de uma área no Rio Grande do Sul, entre Porto Alegre e Caixas do Sul, para a construção de um novo resort. O plano de investimento em território gaúcho é de mais de R$ 150 milhões.

(Nota publicada na Edição 1097 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Cláudio Gradilone)


Mais posts

“O Brasil vai voltar a atrair investimentos”

Entrevista Jorge Apaez, CEO do Grupo IHG para América Latina O executivo mexicano Jorge Apaez, CEO do grupo hoteleiro IHG na América [...]

Alguém ganhou com o IPO da Uber

A malfadada abertura de capital da Uber, cujas ações despencaram 9% em apenas uma semana, gerou efeitos colaterais positivos para uma [...]

Quer pagar quanto?

Os brasileiros estão, cada vez mais, descobrindo as vantagens das empresas digitais de renegociação de dívidas. Tanto é que a [...]

Maconha liberada, lucro bilionário

Se fosse liberado, o mercado de cannabis acessível (maconha regulamentada e lícita) movimentaria cerca de US$ 2,4 bilhões no Brasil, [...]

O app de quem não tem plano

Pelos cálculos do Minis-tério da Saúde, uma consulta médica pelo SUS pode demorar mais de 12 meses em várias regiões do País. Ao [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.