Economia

Sem outros choques, é perfeitamente possível colocar inflação na meta em 22, diz Campos Neto

Sem outros choques, é perfeitamente possível colocar inflação na meta em 22, diz Campos Neto

Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, fala durante cerimônia no Palácio do Planalto

Por Marcela Ayres



BRASÍLIA (Reuters) – O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou nesta sexta-feira ser perfeitamente possível colocar a inflação na meta em 2022, reiterando que a autoridade monetária fará o que for necessário para tanto.

“É perfeitamente possível fazer o trabalho, a menos que outros choques aconteçam, com esse ritmo que estamos mantendo”, disse ele, em evento online promovido pelo banco Goldman Sachs.

“É importante enfatizar que nossa meta é 2022 e faremos o que for preciso para colocar a inflação na meta nesse horizonte”, acrescentou.

O BC tem dado indicações de que prosseguirá com o ritmo de alta de 1 ponto nos juros em sua próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que acontece no fim deste mês. Desde março, quando iniciou o ciclo de aperto, o BC já subiu a Selic em 4,25 pontos, ao patamar atual de 6,25% ao ano.



A sinalização da autoridade monetária é de que será necessário levar a taxa de juros para patamar “significativamente contracionista” –que atua no sentido de desaquecer a economia– para domar as persistentes pressões inflacionárias.

Segundo Campos Neto, a manutenção do ritmo de subida nos juros dá ao BC tempo para analisar o cenário em meio a incertezas que se colocam à frente.

“Vemos que o melhor jeito de atuar é manter o ritmo, entendendo que a (taxa) terminal é o mais importante e o tempo que ganhamos é muito valioso para conseguirmos decifrar as informações no curto prazo e também para entendermos como essa transmissão está acontecendo na curva de juros e como as expectativas estão se comportando”, disse.

Em Washington para participar de reuniões do FMI (Fundo Monetário Internacional), Campos Neto afirmou ter observado, a partir desses encontros, que há questionamento global sobre o que está acontecendo com a demanda por bens, por que está havendo esse deslocamento de maior procura por esses produtos e o quanto disso é apenas uma consequência dos recursos que ficaram disponíveis a partir de programas de transferência de renda.

O quanto houve de mudança estrutural e o quão persistente é esse movimento relacionado a bens são fatores que devem ter implicações para a normalização da política monetária, em termos globais, afirmou ele.

Segundo Campos Neto, o crescimento da China também é outro tópico que está sendo abordado nas conversas, especialmente quanto ao impacto para economias emergentes de uma desaceleração econômica do gigante asiático.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH9E0Y2-BASEIMAGE


Veja também
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Vídeo: Motorista deixa carro Tesla no piloto automático e dorme em rodovia de SP
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Lago Superior: a melhor onda de água doce do mundo?