Giro

Sem cobertura vacinal, 71,5% dos brasileiros podem ter Covid em 2022

Crédito: Roberto Parizotti/FotosPublicas

Cidades como São Paulo, que contam com poder de vacinação maior, a incidência de novos casos de Covid tende a ser menor (Crédito: Roberto Parizotti/FotosPublicas)

Um estudo conduzido pelo coletivo Ação Covid-19, com cientistas de diversos centros de pesquisa e universidades, mostrou que 71,5% dos brasileiros podem ser infectados pelo coronavírus no ano que vem. A previsão leva em consideração variáveis com curto período de imunidade da vacina, alta densidade população e um índice de proteção que avalia a qualidade de vida de determinadas regiões.

Além disso, o levantamento também considerou a capacidade das cidades vacinarem em formato “carrossel”, com a reaplicação de novas doses na população assim que a imunidade contra o vírus for diminuindo.

+ SP recebe matéria-prima para 7 milhões de doses da Coronavac

Os pesquisadores apontaram cenário mais positivo em cidades como São Paulo e Belo Horizonte (MG), onde a densidade populacional é relativamente baixa e o Índice de Proteção à Covid-19 (IPC) é alto. Com a vacina garantindo proteção por um ano e meio, a previsão é de que 36,1% da população seja infectada pelo vírus. Este número leva em conta diagnósticos positivos desde janeiro de 2020.



Já em cidades como Olinda (PE), onde a densidade populacional é alta, o IPC é baixo e a capacidade de vacinação é baixa – cerca de um ano – até 71,5% da população pode ser infectada ao longo do ano que vem.

Segundo o estudo, se a imunidade obtida com os imunizantes for baixa, um novo pico de casos pode acontecer em março de 2022. Essa alta, no entanto, não deve ser comparada ao que aconteceu em abril deste ano, quando mais de 4 mil pessoas morreram diariamente. Ainda assim, o Ação Covid-19 acredita que 0,25% da população de algumas cidades acabem morrendo.

Fim da pandemia?

O estudo aponta que atingir a cobertura vacinal completa não elimina o coronavírus, mas dá ao poder público mais armas para controlar os efeitos uma eventual perda de imunidade da população. Neste cenário, é possível controlar um novo quadro de alta mortalidade, ou de baixos leitos de UTI, por exemplo.

Ainda assim, o grupo considera precipitada a decisão de governadores que estão reabrindo a economia, como em São Paulo. O momento é de promover as vacinas e manter restrições para controlar a taxa de infecções.

Em nota, a epidemiologista Gerusa Figueiredo, da Faculdade de Medicina da USP e membro do coletivo que fez o estudo, acredita que o vírus é um perigo, uma vez que ele segue circulando nas cidades e pode achar uma forma de gerar uma mutação que dribla o poder das vacinas. Com isso, novas variantes, mais fortes, vão surgindo e minando todo o esforço de vacinação.

A íntegra do estudo pode ser vista clicando aqui.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

Tópicos

A vacinação está lenta? Ação Covid-19 Agência Europeia de Medicamentos animais coronavírus animais podem passar coronavírus até quando dura a imunidade? BioNTech Brasil possui neste momento vacina para aplicar em toda a população? capitais vacinação Centros de Controle e Prevenção de Doenças colapso da saúde Com a chegada de mais vacinas como faço para me vacinar? coronavírus cura Covid variantes crise vacinação Faculdade de Medicina da USP falta de doses falta vacina farmacêuticas FDA fim da pandemia FNP Frente nacional de prefeitos Gerusa Figueiredo grupo Ação Covid-19 Imunidade Covid imunizantes brasil Índice de Proteção à Covid-19 leito covid Mutações covid Brasil mutações SP o Brasil tem dose pra vacinar todo mundo o que é variante? pandemia pandemia quantos já morreram? pets hospedeiros Pfizer Pfizer-BioNTech pool de farmacêuticas por que faltam vacinas? quais empresas fazem vacina? quais vacinas estão no brasil qual é a melhor vacina? quando a vacina pfizer chega ao Brasil? Quando o cronograma será ampliado? Quando vai acabar a pandemia? quantas farmacêuticas produzem vacina? quantas vacinas o Brasil tem? quantas vacinas tem no brasil? quantas variantes tem no Brasil saiba como entrar na fila da vacinação saiba como se ibnscrever para se vacinar Sanofi site vacinação taxa de vacinação TERCEIR DOSE PFIZER terceira dose vacina terceira dose vacina pfizer Ugur Sahin uma pessoa poderá receber doses de fabricantes diferentes? uti covid vacina contra covid-19 vacina covid vacina doses mutações vacina Pfizer vacina pfizer é melhor que as outras? vacina pfizer eficácia vacina pfizer estudo israelence vacina pfizer israel vacina refrigeração vacinação araraquara vacinação cuiaba vacinação curitiba vacinação fevereiro vacinação paralisada vacinação passo a passo vacinação salvador vacinação são paulo vacinas vacinas qual a melhor?