Negócios

Sem carne, com lucro

Mudança nos hábitos alimentares impulsiona uma revolução vegana que já movimenta US$ 50 bilhões ao ano e transforma a indústria mundial

Até bem pouco tempo, o vegetariano era visto como “gente estranha com hábitos esquisitos”. Nos EUA, inventaram até a expressão tree hugger (“abraçadores de árvores”) para se referir ao grupo, que também incluía ambientalistas. Dentre esses consumidores, havia um nicho ainda mais restrito: o dos veganos. Diferentemente dos vegetarianos, que evitam apenas a carne, eles preferem ficar longe de qualquer produto de origem animal, como couro, ovos, lã e seda. Mas, nos últimos anos, vegetarianos e veganos se tornaram mais numerosos, com tendência de crescimento acelerado. E isso pode ser percebido claramente em dois países que são campeões em consumo de proteína animal: o Brasil e os EUA. Lá, os vegetarianos representavam, em 2015, apenas 3,4% da população, e os veganos, 0,4%. Hoje são 25% dos americanos entre 25 e 34 anos. “Os mais jovens, mais dos que os baby boomers, puxam uma tendência de conhecer melhor o que consomem e demandam mais transparência das empresas”, diz Alison Angus, chefe de pesquisa de lifestyle na Euromonitor International, uma empresa de estudos de consumo. “E isso só deve aumentar porque a geração millenial está tendo filhos e os criando com hábitos mais saudáveis e menos prejudiciais ao meio ambiente.”

No Brasil, dados do Ibope Inteligência, em pesquisa realizada em abril do ano passado, indicam que a porcentagem que se identifica com o vegetarianismo atingiu 14% da população. Tratam-se de 30 milhões de pessoas. É o equivalente a três vezes o número de habitantes de Portugal ou a metade da Itália. Há apenas cinco anos, a porcentagem de vegetarianos brasileiros estava em 9%. Ou seja, o mercado de clientes que desejam evitar produtos de origem animal atingiu um tamanho que não pode mais ser desprezado por nenhuma gigante do consumo. Há exemplos por todos os lados: McDonald’s, Burger King, BRF, Nestlé, JBS, Tyson Foods e Danone aderiram à onda veggie com produtos, investimentos e projetos em desenvolvimento.

É batata: Burger King, de Ariel Grunkraut, vendeu 1 milhão de Veggie Burgers em 2018

E nem é preciso adotar um discurso totalmente “natureba” ou ir contra os momentos de indulgência alimentar para lucrar com a nova tendência. Segundo pesquisa feita pela empresa Ginger Strategic Research, a estimativa é de que o mercado de produtos alimentícios vegetarianos cresça num ritmo médio de 40% ao ano. “O nosso objetivo é seguir gostos e necessidades dos consumidores”, diz João Branco, diretor de marketing do McDonald’s no Brasil. Na Finlândia e na Suécia, a rede já lançou o seu McVegan, com carne de soja. O sanduíche teve venda acima das expectativas e garantiu espaço permanente no cardápio.

Outros mercados podem receber o produto, mas, até que isso aconteça, já há novidades vegetarianas por aqui. Em novembro, o McDonald’s lançou no Brasil o McVeggie, que traz em sua receita queijo empanado no lugar do hambúrguer, molho de geleia de pimenta biquinho, cenoura ralada, tomate e alface crespa no pão de brioche. “Diferentemente das opções do mercado que tentam imitar o hambúrguer com vegetais, como a berinjela ou a soja, optamos pelo queijo coalho”, diz Branco. “Tentamos tudo isso, mas o nosso público é mais indulgente. Mesmo o vegetariano que vai na rede deseja um momento de consumo diferente”, destaca o executivo.

A rival Burger King tem uma opção vegetariana no cardápio brasileiro desde 2015: o Veggie Burger. A carne é substituída por pedaços de batata empanada com shiitake e queijo derretido no meio. No último ano, a rede vendeu 1 milhão de unidades do sanduíche, uma expansão de 30% em relação a 2017. “Estamos o tempo todo comprando pesquisas de hábitos de consumo e, com isso, acompanhamos o aumento do interesse por comida vegetariana, vegana e orgânica no Brasil”, afirma Ariel Grunkraut, diretor de marketing do Burger King. Há, ainda, referências de outros mercados que ditam tendências e acabam chegando por aqui com uma defasagem de um ou dois anos. Nos EUA, o Burger King tem três opções de lanches veggie e ainda o Bean Burger, que substitui a carne por feijão.

 

O país mais rico do mundo, aliás, aponta uma expansão acelerada dessas novidades. As vendas de comidas veganas cresceram 10 vezes mais do que o mercado total de alimentos em doze meses (até junho de 2018), em comparação ao mesmo período do ano anterior. Houve, ainda, uma explosão na venda de “leites” alternativos, que subiu de US$ 1,5 bilhão a US$ 5 bilhões entre 2011 e 2016. O que puxa o crescimento é o leite de coco. Os sorvetes sem leite também são outra novidade. A Ben & Jerry’s, marca comprada pela Unilever, tem investido em novos sabores sem a proteína. Os EUA já possuem o maior mercado de substitutos da carne animal, que movimenta US$ 700 milhões ao ano.

AÇOUGUE ALTERNATIVO Os sinais da revolução estão por todo o mundo. Na Itália, a população vegana e vegetariana dobrou de tamanho em cinco anos. Os chineses, que enriqueceram produtores de proteína animal desde o início dos anos 2000, têm outro desafio: aumentar a oferta de proteína sem causar um colapso da produção global. Dessa forma, o país já é o maior mercado global de leites alternativos, o que causou uma queda de 60% no preço desses produtos dentro do país. Na Holanda, foi fundada uma das empresas mais avançadas em carnes alternativas: a Vivera, que esgotou os seus estoques de filés a base de plantas na rede de supermercados britânica Tesco, ao vender 40 mil unidades em uma semana. O Reino Unido possui 22 milhões de pessoas que são enquadradas como “flexitarianas”, aquelas que gostam de comer carne, mas desejam reduzir o consumo. Já a Austrália é considerada o mercado mais atraente para snacks à base de plantas. Entre os ingredientes substitutos estão a quinoa, semente de maconha, grão de bico, algas e até insetos.

Mordida no mercado: João Branco, diretor de marketing do McDonald’s, com o hambúrguer vegetariano lançado em 2018

É esperado que essas tendências aportem com mais força no Brasil nos próximos anos. Uma rede de Açougue Vegano, fundada no Rio de Janeiro, já abriu unidades em São Paulo. Mesmo possuindo um consumo de proteínas derivadas de bovinos muito acima de média global (até por ser uma potência pecuária), o País tem tudo para se tornar também uma grande força veggie. Já estamos entre os 10 países com o maior número de vegetarianos do mundo, segundo a Euromonitor – em ranking liderado com folga pela Índia e os seus 400 milhões de não comedores de carne. Segundo o Ibope Inteligência, 55% das pessoas consumiriam mais produtos veganos se os ingredientes estivessem indicados na embalagem. E 60% escolheriam um item vegano se ele tivesse o mesmo preço que o produto que costumam consumir.

Isso pode ser interessante até para empresas que atuam no mercado animal, como a BRF, dona das marcas Sadia e Perdigão. “A média de consumo de carne no Brasil é muito alta. “Praticamente todas as pessoas têm acesso e comem uma quantidade grande de proteína animal. Então, o espaço para aumento de vendas nesse mercado acontece com a troca de uma proteína de menor custo por outra de maior valor. Nos últimos anos, migramos de ser uma empresa de proteína animal para uma de alimentos”, diz Fabio Bagnara, gerente-executivo de pesquisa e desenvolvimento da BRF. “Por isso, estamos atentos à oportunidade de que uma parcela da população vem adaptando a sua dieta e identificamos o ‘flexitarianos’, mas que têm curiosidade com soja e decide não comer carne todos os dias.”

Parceria: José Pereira, da Nestlé, diz que a companhia passará a vender produtos da startup parceira NoMoo

Até mesmo a maior empresa de carne bovina do mundo, a também brasileira JBS, já tem produtos vegetarianos. Na sua divisão Seara, há lasanha vegetariana, pizza com massa integral, pratos prontos sem conservantes e até um hambúrguer de mix feito com shimeji, shiitake e cogumelo paris. “O consumidor tem três conexões básicas que o levam para o veganismo: a preocupação com os maus tratos aos animais, com o meio ambiente e com a própria saúde, para evitar produtos muito processados e com muita química”, diz Gustavo Negrini, dono da agência E4, especializada em “veganizar” produtos e marcas. O empresário parou de comer carne há sete anos, quando começou a estudar o impacto ambiental da alimentação. “Percebi que não tinha coerência a minha empresa estar orientada ao mercado de nutrição enquanto eu comia mal”, diz. “Hoje, é muito mais fácil fazer essa migração. Há cinco anos, você entrava numa hamburgueria e não existiam opções sem carne.”

STARTUPS DE ALIMENTOS A qualidade dos produtos que substituem artigos animais também melhorou bastante. Diversas startups criaram inovações importantes e atraíram a atenção de empresas interessadas em não perder o bonde da revolução. Em dezembro, a Unilever comprou a holandesa The Vegan Butcher, que inventou produtos como o nuggets sem frango. A empresa foi fundada em 2007, por um agricultor que representava a nona geração de uma família de criadores de animais, mas que resolveu se tornar vegetariano depois de ver a sua criação de porcos dizimada pela gripe suína. A Unilever também entrou em acordo com a TerraVia para fornecimento de óleo de águas renováveis para os seus produtos cosméticos. Por sua vez, a suíça Nestlé fechou contrato de desenvolvimento com a mesma empresa, para criar ingredientes nutritivos à base de algas para as suas rações voltadas a animais de estimação, da marca Nestlé Purina.

Também no Brasil, a companhia europeia tem avançado em produtos vegetais. Há dois anos, a sua linha de biscoitos Nesfit começou a comercializar bebidas vegetais alternativas ao leite. Agora, a empresa apoia uma das startups que fazem parte do programa de aceleração da Endeavor, organização de apoio ao empreendedorismo. O nome dela, NoMoo, já diz tudo. Ela produz queijos a partir de leite de castanhas de caju, em uma fábrica no Rio de Janeiro. Na quarta-feira 16, a direção da empresa decidiu que todas as suas lojas teriam produtos da NoMoo e de outras 18 empresas voltadas à inovação no mercado de alimentação. “Eu já era vegetariano e percebi que muita gente intolerante a lactose não tinha como comer diversos produtos”, conta Marcelo Doin, fundador da NoMoo. “Agora, estamos crescendo 70% ao ano.” José Pereira, gerente de inovação da Nestlé, acrescenta: “Não é a tecnologia que está impondo a mudança, mas a sociedade, que tem novos desejos e necessidades.”

A maior transação da indústria de alimentos naturais e orgânicos, no entanto, foi realizada pela francesa Danone, que pagou US$ 10 bilhões pela Whitewave, em 2016. Foi devido a esse negócio que a empresa pôde lançar o seu produto sem origem animal no Brasil: a marca Silk, de bebidas à base de amêndoas. Como também não contém glúten, colesterol e gorduras saturadas, ela atende não só ao mercado vegano, mas também aos celíacos (que representam 3% da população) e a pessoas em busca de melhor saúde. “Acreditamos em uma revolução alimentar”, diz Renata Campos, diretora da divisão de produtos à base de plantas da Danone Brasil. “O foco atual desses produtos são as regiões Sudeste e Sul”.

Inovação: Fabio Bagnara, responsável pelo centro de pesquisas da BRF em Jundiaí, diz que alimentos vegetarianos permitem às empresas de proteína uma nova forma de crescimento

Nos EUA, a Tyson Foods, grande rival americana da brasileira JBS, comprou 5% da startup californiana Beyond Meat. A empresa novata, cujo escritório combina um centro de pesquisas com um hotel para cachorros, vende discos de proteína sem carne animal para redes, como TGI Friday’s, e anunciou em novembro que se prepara para fazer um IPO de US$ 100 milhões. A Beyond Meat desenvolveu uma carne vegetal que até “sangra” suco de beterraba. O produto foi elogiado pelo bilionário Bill Gates, um dos investidores ao lado do ator Leonardo DiCaprio, da rival Impossible Foods, outra empresa californiana que desenvolve carnes alternativas.

As organizações econômicas globais também entraram no tema. No Fórum Mundial de Davos, que acontece nesta semana, será apresentado um estudo da Universidade de Oxford pregando uma diminuição do consumo de carne por questões de saúde e de meio ambiente. A pesquisa estima que a substituição da proteína animal causaria a diminuição de 2,4% das mortes causadas por dieta inadequada. A carne, sugere o estudo, deveria ser substituída por outras fontes de proteína, como carne sintética, tofu, lentilha, nozes, jaca e insetos.

Já a Associação Médica Americana também concluiu, em congresso realização em 2018, que os hospitais precisam oferecer mais refeições veganas. Em Los Angeles, as escolas públicas começaram a servir refeições desse tipo no ano acadêmico de 2018-2019. Mas a primeira grande iniciativa governamental sobre o tema acontecerá neste ano, quando a Comissão Europeia promete iniciar o plano de criar uma definição formal para alimento vegano e vegetariano, criando uma padronização que pode ser referência para empresas e consumidores de todo o mundo. Portanto, antes de chamar aquele amigo vegano de “esquisito”, lembre-se de que ele é um consumidor disputado pelas maiores empresas do mundo.