Edição nº 1074 15.06 Ver ediçõs anteriores

Segurança real via aplicativo

Segurança real via aplicativo

A sensação de insegurança levou a agência digital Hype, de Campinas, a desenvolver o aplicativo iOkay. No início de março, o sistema já contava com 50 mil downloads. Com investimento de R$ 1 milhão, o programa cria uma rede de segurança entre amigos e órgãos públicos.

Por meio de três botões (Verde, Amarelo, Vermelho) é possível informar se o usuário do sistema está seguro, seja na rua, estrada ou festa. Ao acionar o botão Vermelho, um alerta de socorro é emitido para todos da rede, inclusive a polícia. “Não acredito que o iOkay seja a doença da modernidade, mas uma evolução da sensação de segurança”, diz Simone Rodrigues, proprietária da agência digital.

O aplicativo também faz um mapeamento de áreas de risco a partir de informações de Boletins de Ocorrência das Secretarias de Segurança dos Estados.

(Nota publicada na Edição 1008 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Bilionários sustentáveis

Duas startups americanas com projetos de desenvolvimento sustentável estão na mira dos principais bilionários do mundo da tecnologia. O [...]

Frase da semana

“Não acredito que todas as cidades nos odeiam. Já pagamos US$ 500 milhões em impostos. Em breve, seremos o maior pagador de impostos de [...]

A era das fintechs

(Nota publicada na Edição 1074 da Revista Dinheiro)

Novela milionária

A batalha judicial entre Apple e Samsung ganhou um novo capítulo na semana passada. A fabricante coreana não aceitou pagar uma multa de US$ 539 milhões por ter infringido patentes registradas pela empresa da maçã que diziam respeito a detalhes do design do iPhone. De acordo com o site americano Law360, a Samsung recorreu da […]

Resposta instantânea

Guilherme Martins, CEO da PlayKids, empresa de streaming de conteúdo infantil
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.