Edição nº 1048 08.12 Ver ediçõs anteriores

Segurança real via aplicativo

Segurança real via aplicativo

A sensação de insegurança levou a agência digital Hype, de Campinas, a desenvolver o aplicativo iOkay. No início de março, o sistema já contava com 50 mil downloads. Com investimento de R$ 1 milhão, o programa cria uma rede de segurança entre amigos e órgãos públicos.

Por meio de três botões (Verde, Amarelo, Vermelho) é possível informar se o usuário do sistema está seguro, seja na rua, estrada ou festa. Ao acionar o botão Vermelho, um alerta de socorro é emitido para todos da rede, inclusive a polícia. “Não acredito que o iOkay seja a doença da modernidade, mas uma evolução da sensação de segurança”, diz Simone Rodrigues, proprietária da agência digital.

O aplicativo também faz um mapeamento de áreas de risco a partir de informações de Boletins de Ocorrência das Secretarias de Segurança dos Estados.

(Nota publicada na Edição 1008 da Revista Dinheiro)


Mais posts

A tacada de US$ 82 mi na Movile

O fundo de investimentos sul-africano Naspers e o brasileiro Innova Capital estão injetando mais US$ 82 milhões na operação da Movile, [...]

Resposta instantânea

Cynthia Bianco, presidente da MicroStrategy no Brasil, empresa que atua com softwares de análise de dados

Realidade virtual cara

A Sony anunciou a chegada do dispositivo de realidade virtual PlayStation VR ao Brasil. O gadget é composto por um visor, uma câmera e [...]

Som na caixa … e na internet

(Nota publicada na Edição 1048 da Revista Dinheiro)

Tencent quer fatia do Spotify

Maior empresa digital da China, com valor de mercado de US$ 468 bilhões, a Tencent está de olho na sueca Spotify, comandada por Daniel [...]
Ver mais

Copyright © 2017 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.