Edição nº 1134 19.08 Ver ediçõs anteriores

Se não pode comprar, divide

Se não pode comprar, divide

Em tempos de incerteza na indústria da construção, com a liberação de parte do FGTS, o setor busca saídas para equilibrar suas receitas. Para o executivo Caio Calfat, ex-presidente do Secovi e atual presidente da Associação para o Desenvolvimento Imobiliário e Turístico (Adit Brasil), um dos caminhos é o segmento de multipropriedade. Embora não exista uma relação direta entre o FGTS e o mercado de casa de férias, a falta de dinheiro em circulação obriga empresas a criarem novas frentes de negócios. “Nos últimos seis anos, mesmo com a recessão, a multipropriedade viveu uma situação quase inexplicável, puxando o faturamento de empresas da construção e de turismo”, afirma Calfat. Neste ano, o setor de multipropriedade vai movimentar R$ 22,3 bilhões no Valor Geral de Vendas (VGV), segundo ele. O estudo da Adit indica que o mercado alcançou, em junho, 92 novos empreendimentos, crescimento de 15% em relação a 2018.

(Nota publicada na Edição 1132 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Que tiro foi esse?

Se existe um presidente de empresa feliz da vida no Brasil, esse é Salesio Nuhs, CEO da fabricante de armas Taurus. As vendas cresceram [...]

Do turismo ao imóvel

O empresário Valter Patriani, cofundador da agência de viagens CVC, ao lado de Guilherme Paulus, vendeu recentemente sua participação [...]

A moda do cacau saudável

No início de 2017, surgiu no mercado a Dengo Chocolates, marca do empresário Guilherme Leal, cofundador da Natura, com a proposta de [...]

Na carona dos investimentos

A Valemobi, empresa de tecnologia para o mercado financeiro, vai apostar no TradeMap, uma plataforma digital que se propõe a conectar [...]

Tudo que reluz

O mercado de gemas e metais preciosos defende uma simplificação dos tributos que incidem sobre as joias, com a Reforma Tributária. Por [...]
Ver mais