Edição nº 1091 11.10 Ver ediçõs anteriores

Saúde sem susto

Saúde sem susto

Se existem setores promissores no Brasil, um deles, com certeza, é o de saúde privada. A falência do sistema público de saúde e os reajustes abusivos dos planos de saúde estão criando uma nova categoria intermediária: o de consultas e exames a preços populares. Uma prova disso é a Labi Exames, de São Paulo. Fundada pelo executivo Marcelo Noll (acima, à dir.) e pelo médico Octavio Fernandes, ambos ex-Dasa, a rede tem como missão facilitar o acesso à saúde a preços baixos. A meta da empresa é atender cerca de 3 milhões de pacientes por ano em 2022, com um tíquete médio de R$ 100. Com isso, a empresa alcançará faturamento de R$ 300 milhões. “Estamos navegando em um mar nunca antes navegado, mas estamos confiantes que estamos no caminho certo”, afirma Noll.

(Nota publicada na Edição 1052 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Rachel Rubin e Machado da Costa)


Mais posts

Pela tela do celular

Recentemente, Lincoln Martins, que comanda as operações do grupo Sforza na área de alimentação, revelou à coluna que as redes de fast [...]

Estudo de caso

A Smiles se tornou um caso a ser estudado pela empresa de tecnologia Oracle. A companhia, que tem a Gol como sua principal acionista, é [...]

Aula em Miami

O Unicesumar, um dos dez maiores grupos de educação do País, com 120 mil alunos e receita estimada em quase R$ 500 milhões, dará início [...]

Charge da semana

(Nota publicada na Edição 1091 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Hugo Cilo)

O tema foi um só

No 9th Latin America CEO Conference, organizado pelo BTG Pactual, em Nova York, com 147 empresas e 575 investidores, o assunto foi [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.