Edição nº 1122 24.05 Ver ediçõs anteriores

Saúde sem susto

Saúde sem susto

Se existem setores promissores no Brasil, um deles, com certeza, é o de saúde privada. A falência do sistema público de saúde e os reajustes abusivos dos planos de saúde estão criando uma nova categoria intermediária: o de consultas e exames a preços populares. Uma prova disso é a Labi Exames, de São Paulo. Fundada pelo executivo Marcelo Noll (acima, à dir.) e pelo médico Octavio Fernandes, ambos ex-Dasa, a rede tem como missão facilitar o acesso à saúde a preços baixos. A meta da empresa é atender cerca de 3 milhões de pacientes por ano em 2022, com um tíquete médio de R$ 100. Com isso, a empresa alcançará faturamento de R$ 300 milhões. “Estamos navegando em um mar nunca antes navegado, mas estamos confiantes que estamos no caminho certo”, afirma Noll.

(Nota publicada na Edição 1052 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Rachel Rubin e Machado da Costa)


Mais posts

“O Brasil vai voltar a atrair investimentos”

Entrevista Jorge Apaez, CEO do Grupo IHG para América Latina O executivo mexicano Jorge Apaez, CEO do grupo hoteleiro IHG na América [...]

Alguém ganhou com o IPO da Uber

A malfadada abertura de capital da Uber, cujas ações despencaram 9% em apenas uma semana, gerou efeitos colaterais positivos para uma [...]

Quer pagar quanto?

Os brasileiros estão, cada vez mais, descobrindo as vantagens das empresas digitais de renegociação de dívidas. Tanto é que a [...]

Maconha liberada, lucro bilionário

Se fosse liberado, o mercado de cannabis acessível (maconha regulamentada e lícita) movimentaria cerca de US$ 2,4 bilhões no Brasil, [...]

O app de quem não tem plano

Pelos cálculos do Minis-tério da Saúde, uma consulta médica pelo SUS pode demorar mais de 12 meses em várias regiões do País. Ao [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.