Giro

Saúde diz não ter confirmação de data de envio de IFA da CoronaVac pela China

Crédito: REUTERS/Amanda Perobelli

CoronaVac em São Paulo (Crédito: REUTERS/Amanda Perobelli)

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) – O governo brasileiro ainda não tem a confirmação da data de embarque da China para o Brasil de um novo lote do insumo farmacêutico ativo (IFA) da CoronaVac a fim de garantir o envase de novas doses da vacina contra Covid-19 do laboratório chinês Sinovac, afirmou o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz, nesta sexta-feira.

“A gente está sempre conversando, quer seja com a embaixada brasileira em Pequim, quer seja com o embaixador chinês aqui no Brasil sempre com o objetivo de garantir que esse IFA chegue ao país”, disse o secretário em entrevista coletiva.

+ Brasil passa a apoiar negociações para quebra de patentes de vacinas
+ UE pede que EUA e outros exportem vacinas em vez de falarem em quebra de patente

“Não temos ainda a confirmação de embarque do IFA”, acrescentou.

Rodrigo Cruz afirmou que o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, reuniu-se com o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, para tratar do envio do IFA para o envase do imunizante pelo Instituto Butantan.

Em meio a discussões sobre remessa de insumos, o presidente Jair Bolsonaro ameaçou causar um incidente diplomático ao sugerir que a China pode ter criado o novo coronavírus como parte de uma “guerra bacteriológica”.

Segundo o presidente do Butantan, Dimas Covas, instituto já envasou todo IFA da CoronaVac que tinha disponível e agora espera pela chegada de um novo lote de matéria-prima, esperado para o dia 18 deste mês, no máximo.

“O IFA que estava disponível foi processado na primeira fase que é o envase. Ele continua no controle de qualidade até a liberação”, afirmou Covas em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo do Estado de São Paulo, ao qual o Butantan é vinculado.

Na quinta-feira, Covas alertou que podem faltar doses de vacina para o Butantan entregar ao Ministério da Saúde por causa da demora na chegada de IFA importado da China, que ele atribuiu à lentidão na autorização de envio por parte do governo chinês que, por sua vez, disse ele, devia-se à postura do governo Bolsonaro em relação ao país asiático.

Até o momento o Butantan entregou 43 milhões de doses da CoronaVac ao Ministério da Saúde. O contrato do instituto com a pasta prevê 100 milhões de doses da vacina até o final de setembro.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH4618O-BASEIMAGE

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago