Edição nº 1150 09.12 Ver ediçõs anteriores

Santos FC no combate à desigualdade racial

Santos FC no combate à desigualdade racial

O Santos Futebol Clube decidiu estampar dados da desigualdade racial do País em suas camisas de jogo. Em uma ação realizada no dia 16 de novembro, em partida válida pela 33a rodada do Campeonato Brasileiro, o time vestiu números que representam não somente quão minoritárias são as pessoas negras em profissões, mas também com formações superiores, em diferenças salariais e outros dados alarmantes – como em percentual de vítimas de homicídios. A ação, promovida em parceria com o Observatório da Discriminação Racial no Futebol, mostra que a população negra representa apenas 1% dos advogados no País, 17% dos médicos, 18% entre os mais ricos e 29% dos brasileiros com pós-graduação. Os números avançam, porém, quando o assunto é a parcela de presidiários que são negros (61%), trabalho infantil (64%), gravidez na adolescência (70%) e trabalho escravo (85%). Num momento em que a intolerância às desigualdades e o racismo mostram as suas faces em diversos campos de futebol pelo mundo, a bandeira levantada pelo clube é fundamental. Que outros sigam o exemplo.

(Nota publicada na Edição 1148 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Desmatamento na Amazônia avança mais de 200% em outubro

O apetite das motosserras na floresta amazônica segue insaciável. Segundo dados do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia [...]

Combos livres no Burger King

Para ajudar a preservar o meio ambiente, o Burger King Brasil decidiu retirar as caixas de papelão do combo King Jr., voltado a [...]

Governo quer desobrigar empresa de cumprir cota para trabalhador com deficiência

O governo Bolsonaro quer acabar com a política de cotas para pessoas com deficiência ou reabilitadas. O projeto de lei 6.159/2019, que [...]

Empresas do Bem – A responsabilidade social da Cogna

A Cogna, holding que administra diversas marcas educacionais como Kroton, Saber, Platos e Vasta/Somos, está reforçando o seu papel social. Desde que Camilla Veiga assumiu a área de responsabilidade social da empresa, no fim de 2018, os projetos não param. Mais de 1,5 milhão de pessoas já foram impactadas por meio de 1,7 mil programas […]

A farra dos agrotóxicos

A aprovação de pesticidas, alguns deles proibidos em outras partes do mundo, tornou-se uma ação rotineira para o Ministério da [...]
Ver mais