Geral

Santo André, no ABC paulista, registrou dois casos de feminicídio nesta segunda


Dois casos de feminicídio foram registrados em Santo André, município da região metropolitana de São Paulo, nesta segunda-feira, 18. O auxiliar de almoxarifado Lucas Alves da Silva Santos, de 24 anos, foi preso em flagrante após ter matado a mulher, a técnica de enfermagem Engel Sofia Pironato, de 21 anos, por volta das 19h30 de segunda-feira, no Parque Marajoara, bairro da cidade do ABC paulista.

A Polícia Militar foi informada pelo Centro de Operações do Corpo de Bombeiros que o criminoso estaria fugindo da cena do crime. O veículo em que Santos estava foi localizado e ele confessou que havia matado sua companheira.

O auxiliar levou os policiais até o imóvel onde residia. O corpo da vítima foi localizado no interior de uma geladeira sem funcionamento.

Eles se conheciam há pelo menos seis anos. Santos teria matado a namorada porque não tinha se conformado com o término do relacionamento. Eles já tinham terminado e reatado o relacionamento em outras ocasiões.

Foram solicitados exames de perícia ao Instituto de Criminalística (IC) e ao Instituo Médico Legal (IML).

O caso foi registrado como homicídio qualificado com agravante de feminicídio e violência doméstica no 1º DP de Santo André pelo delegado Dimitrius Moraes Costa.

Ainda em Santo André, Manoel Gomes de Oliveira, de 43 anos, foi preso após atropelar e matar a tiros a companheira, Elieide Rodrigues de Oliveira, de 38 anos, no Jardim Rina. O crime foi filmado por câmeras de segurança da rua.

O criminoso atropelou a companheira e depois desceu do carro para realizar os disparos contra ela. Ele fugiu do local, trocou tiros com policiais, no bairro Iguatemi, na zona leste da capital paulista, e foi preso em flagrante por feminicídio.

Oliveira foi ferido durante o confronto e encaminhado ao Hospital Santa Marcelina, na zona leste, onde permanece internado sob vigilância policial. A mulher não resistiu aos ferimentos e morreu no Centro Hospitalar Municipal, em Santo André.

Outro caso

Ainda na segunda-feira, a polícia foi acionada para uma ocorrência com refém na zona leste de São Paulo. Uma equipe do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) foi deslocada para o atendimento.

O indivíduo de 30 anos estava armado com uma faca e um martelo. Ele mantinha a ex-namorada como refém, dentro da sua casa. Após a negociação, a equipe do Gate conseguiu liberar a vítima e prender o criminoso.

Feminicídio

Os últimos anos têm sido marcados pelo aumento no número de casos de feminicídios que chegam ao Poder Judiciário, informou o Conselho Nacional de Justiça. Desde 2016, quando esses crimes passaram a ser acompanhados pelo colegiado, a quantidade de processos só cresce, informou a Agência CNJ de Notícias. Em 2018, o aumento foi de 34% em relação a 2016, passando de 3.339 casos para 4.461.

Os tribunais de Justiça também perceberam crescimento no número de processos pendentes relativos à violência contra a mulher.

Em 2016, havia 892 mil ações em tramitação na Justiça. Dois anos depois, esse número cresceu 13%, superando a marca de 1 milhão de casos. Os dados dos tribunais foram consolidados pelo Departamento de Pesquisas Judiciárias (DPJ/CNJ).