Economia

Santander paga R$ 1,4 bi por fatia de 11,5% da GetNet

O Santander Brasil pagou mais pela fatia de 11,5% que ainda não detinha da gaúcha GetNet do que desembolsou pelos 88,5% de participação adquiridos em 2014. O movimento anunciado nesta quarta-feira, 19, avalia a empresa em R$ 12,4 bilhões e era aguardado pelo mercado. Assumir 100% do negócio em meio ao acirramento da concorrência, na opinião de especialistas, reforça o apetite do banco em seguir expandindo o negócio.

Para arrematar os 11,5% das mãos dos acionistas minoritários Manzat Investimentos e Guilherme Alberto Berthier Stumpf, o Santander desembolsará R$ 1,43 bilhão. Em 2014, quando acertou a compra do controle do controle da adquirente, o banco havia pago R$ 1,1 bilhão. A opção de venda já era prevista no contrato.

De lá para cá, a adquirente mais do que dobrou sua participação no setor, saindo de 6%, em 2014, para 14,5%, em setembro. Conseguiu, assim, antecipar a meta que era prevista só para o fim de 2019. A rede de credenciados também cresceu: saltou de 400 mil para 900 mil.

A aquisição do restante da fatia da GetNet, segundo o especialista no setor de meios de pagamento Edson Santos, pode parecer um negócio caro sob a ótica do valor desembolsado pelo banco no passado, mas, quando comparado com a avaliação de outras empresas do setor, essa percepção muda.

Isso porque a Cielo, controlada por Bradesco e Banco do Brasil, e a PagSeguro, do Uol, valem cerca de R$ 25 bilhões, enquanto a Stone está avaliada em cerca de R$ 20 bilhões, bem acima do preço pago pelo Santander. A diferença pode estar no fato de o preço ter sido fixado no passado, dizem fontes.

Sem abrir o próximo alvo da GetNet em termos de participação, o presidente da empresa, Pedro Coutinho, diz que o mercado de cartões deve crescer ao menos 15% em 2019, enquanto a GetNet seguirá avançando acima dos 30% em volume financeiro. “Assim dá para ganhar um pedacinho (da participação de mercado da concorrência)”, afirmou ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado.

O executivo diz que o foco da adquirente é atender a necessidade de clientes com o desenvolvimento de soluções específicas. Foi com essa estratégia que a GetNet ganhou as contas dos postos Shell e do marketplace da Via Varejo, por exemplo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja também

+Caixa paga hoje (13) auxílio emergencial para nascidos em maio

+Soros produzidos por cavalos têm anticorpos potentes para covid-19

+ Avó de Michelle Bolsonaro morre após 1 mês internada com covid-19

+ Nazistas ou extraterrestres? Usuário do Google Earth vê grande ‘navio de gelo’ na costa da Antártida

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Carol Nakamura anuncia terceira prótese: ‘Senti falta de seios maiores’

+ Ex-Ken humano, Jéssica Alves exibe visual e web critica: ‘Tá deformada’

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?