Edição nº 1121 17.05 Ver ediçõs anteriores

Sandra Tavares e Susana Esteban são exemplos da amizade no vinho

Sandra Tavares e Susana Esteban são exemplos da amizade no vinho

Amigas dos tempos em que trabalhavam no Douro, as enólogas Sandra Tavares (de amarelo) e Susana Esteban levaram mais de uma década para produzirem primeiro vinho juntas

Difícil escolher qual história contar neste dia 8 de março, o Dia Internacional das Mulheres, nesta série delas e o vinho. São tantas mulheres pioneiras, guerreiras e interessantes, que merecem ser homenageadas. Acabei elegendo uma dupla: a portuguesa Sandra Tavares e a espanhola Susana Esteban.

E explico as razões. Amigas de vinhedo, desde quando as duas trabalhavam em vinícolas que integram o movimento Douro Boys (e não girls) no início dos anos 2000, as duas sonhavam em fazer um vinho a quatro mãos. Sandra trabalhava na Quinta Vale Dona Maria, e Susana, na Quinta do Crasto. Nas voltas que a vida dá, Susana mudou-se para o Alentejo, onde dá assessorias à vinícolas e tem um projeto próprio e ousado, que leva o seu nome. E Sandra precisou administrar seu tempo entre os três filhos, que nasceram neste período, o projeto Wine & Soul, que tem com o seu marido, também enólogo, e a vinícola da família, em Lisboa.

Só em 2011 elas conseguiram realizar o sonho de terem seu vinho, feito a quatro mãos. Nascia, assim, o Crochet (foto à esquerda), um tinto elaborado com 60% de touriga franca e 40% de touriga nacional no Douro. Tudo é lindo neste vinho (na minha opinião, ao menos): o nome, o rótulo, que, em auto-relevo imita o crochê, e, o melhor, o vinho em si. Em 2014, veio a realização do segundo sonho, um tinto no Alentejo, batizado, adivinhem, de Tricot. É elaborado com 50% de uvas de vinhas velhas, plantadas misturadas, na Serra de São Mamede, e 50% de touriga nacional.

Estes dois vinhos trazem a amizade e o trabalho conjunto, em equipe, como exemplos a serem seguidos. E por isso foram escolhidos para o dia de hoje – custam R$ 441,80, o Crocret, e R$ 438,60, o Tricot, importados pela Adega Alentejana.

Mas vale aqui contar um pouco da trajetória destas duas enólogas. Linda, Sandra penou para conseguir um emprego na área depois de formada, exatamente pela sua beleza. Antes de estudar, ela era modelo da agência Ford. E quem me contou esta história não foi ela, mas Cristiano Van Zeller, da Quinta Vale Dona Maria, exatamente o produtor que a contratou no início de carreira. Susana, que trocou o Douro pelo Alentejo quando se casou, vem fazendo um trabalho de redescobrir vinhedos antigos nesta região portuguesa. Ela, ainda, tem um inusitado projeto de convidar enólogos amigos para elaborar vinhos em parceria com ela, para o rótulo batizado de Sidecar. A primeira safra foi feita com Dirk Niepoort, depois com Filipa Pato e o próximo vinho será com um brasileiro.


Mais posts

A importância crescente do enoturismo

A francesa Alice Tourbier, do Les Sources de Caudalie, é o principal destaque do Invino Wine Travel Summit, que acontece nesta [...]

Brasil e Chile fazem acordo de equivalência para produtos orgânicos

Os dois países vão reconhecer a certificação válida no país de origem

Por que a Salton é a marca número 1 de vinho do Brasil?

Pesquisa da inglesa Wine Intelligence aponta que a vinícola é a marca de vinhos mais forte no País

Mulheres e vinho: a presença crescente das sommelières no Brasil

Annas, Gabrielas, Jô, Marias, Julianas são exemplos de mulheres que estão escrevendo a história do serviço do vinho em nosso país

Viviana Navarrete e os desafios das mulheres nas vinícolas chilenas

Principal enóloga da Viña Leyda, ela conta como venceu os desafios para chegar à liderança após muito trabalho, dedicação e perseverança,
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.