Geral

Saiba o que fazer quando receber uma cobrança indevida

Crédito: Cecília Bastos/ USP Imagem

Ter uma média de gastos mensais nas contas e consultar as que estão em débito automático são alguns conselhos (Crédito: Cecília Bastos/ USP Imagem)



Em meio a tantas cobranças mensais como contas de água, luz, plano de saúde, streaming e internet banda larga, muitas vezes é difícil perceber se algum valor foi cobrado indevidamente. 

Caso o consumidor perceba que pagou um valor a mais em alguma dessas cobranças, como ele deve agir? Em quais aspectos se atentar para perceber o erro na conta antes de efetuar o pagamento? 

+Inflação em alta gera perda de referências

Confira algumas dicas. 



Pontos para ficar atento

Em casos de contas de luz e água, o ideal é ter uma noção da média de gastos por mês. Se o valor vier muito mais alto e você não ter identificado o motivo, pode ser um alerta de que uma cobrança indevida está ocorrendo. Na dúvida, entre em contato com a empresa responsável. 

Já no caso da conta de celular, é preciso saber qual o plano que você tem contratado e verificar se ele não sofreu alguma alteração que não foi informada. O mesmo vale para a conta de internet. Confira também todos os serviços contratados, que devem estar explicados na conta, e se você optou por todos eles. 

Outra probabilidade também pode ser o reajuste no serviço depois de 12 meses, o que é permitido por lei. No entanto, essa subida de preço só pode acontecer uma vez por ano e precisa ser avisada com antecedência. 


Por fim, verifique sempre as contas que estão no débito automático. Apesar de ser mais cômodo, muitas vezes o cliente não confere os valores cobrados e pode estar pagando a mais por vários meses.

Onde reclamar 

Mesmo depois do pagamento feito o consumidor tem o direito de reaver esse valor cobrado indevidamente. 

A primeira forma de se cobrar é entrando em contato com a própria empresa por meio do serviço de atendimento ao consumidor. Muitas vezes essa é a forma mais rápida de recuperar o prejuízo. 

Caso o problema não tenha sido resolvido, há outras instâncias como os sites de reclamação como Reclame Aqui, Procon, Proteste e Consumidor.gov.br. 

Se nenhuma dessas formas funcionar, o caminho pode acabar sendo a justiça. O antigo Juizado das Pequenas Causas, que hoje se chama Juizado Especial Cível, permite que em casos onde o valor em discussão for de até 20 salários mínimos (R$24.240) não precise contar com um advogado.