Ciência

Saiba como preparar o seu salão de beleza para a volta dos clientes

Crédito: Fotos Públicas

Evitar aglomeração, agendar a chegada dos clientes, trabalhar com escala de trabalho para os funcionários e ter como meta principal a higienização do estabelecimento, dos clientes e funcionários serão essenciais na retomada dos trabalhos (Crédito: Fotos Públicas)


Com o decreto 10.344/20, publicado nesta segunda-feira (11), os salões de beleza, barbearias e academias estão liberados a retomarem suas atividades em todo o País durante o período da quarentena. A medida, no entanto, além de estar restrita às decisões individuais dos estados e municípios, vai demandar cuidado redobrado para que os estabelecimentos não enfrentem problemas relacionados à Covid-19.

O primeiro cuidado a ser tomado pelos donos de salões de beleza está ligado a questão legal do decreto. Apesar do governo federal ter editado a norma com validade em todo o território brasileiro, estados e municípios possuem autonomia para decidirem o que é considerado atividade essencial e deve funcionar em períodos de quarentena.

+ Veja algumas startups que podem ajudar sua empresa nesta pandemia
+ Setor de turismo já perdeu R$ 62,56 bi desde início da pandemia, diz CNC
+ Relator destina R$ 8,7 bi a Estado e município que reabrir comércio seguindo OMS

Pelo menos 12 estados e o Distrito Federal não deverão liberar as atividades ou vão anunciar a decisão nos próximos dias. São eles: Alagoas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Goiás, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, São Paulo e Sergipe



Ainda assim, é preciso se preparar para uma eventual reabertura e, caso haja algum tipo de conflito envolvendo os decretos, o mais correto é seguir orientações das organizações de saúde, como a Anvisa, Ministério da Saúde, Organização Pan Americana da Saúde (Opas) e a Organização Mundial da Saúde (OMS).

O presidente da Associação Brasileira de Salões de Beleza (ABSB), José Augusto Nascimento dos Santos, ressaltou que o decreto beneficia principalmente aqueles que fazem tratamentos de terapia capilar, nos pés, além da higiene pessoal das pessoas. A atividade desempenhada por esses estabelecimentos, indica ele, são consideradas essenciais e prestam um serviço às comunidades.

São mais de 3 milhões de trabalhadores no setor de beleza e cuidados com o cabelo e ele acredita que os salões que estão funcionando de forma clandestina e furando a quarentena não ajudam a categoria. Por isso, a liberação das atividades, atendendo rígidos protocolos de saúde e segurança, será importante para a retomada da atividade econômica.


“Cada município tem que verificar o seu grau de comprometimento com a questão dos leitos e o gráfico de curva da Covid, mas entendemos que havendo essa possibilidade se faz necessário nosso tipo de apoio”, disse o presidente da ABSB.

Ele acredita que os governadores contrários a abertura dos salões deveriam consultar as entidades de classe e as secretarias para se informarem sobre a viabilidade dos serviços e permitirem, com isso, a volta desses profissionais ao trabalho. A rejeição sumária, sem uma consulta prévia, é “política”, indica José Augusto

Listaremos a seguir os principais pontos de uma cartilha feita pelo Sebrae, em conjunto com a ABSB, médicos e outras representações do setor que vão ajudar os donos de estabelecimentos e clientes a se cuidarem e evitar riscos de contaminação:

– O primeiro e mais importante cuidado é trabalhar como se todos estivessem infectados, imaginando que mesmo aqueles que sejam assintomáticos são potenciais disseminadores da doença. Por isso, a higiene e o uso dos equipamentos de proteção individual são essenciais nessa retomada.

– É essencial que a chegada dos clientes e profissionais passe por algum tipo de controle, passando álcool em gel nas mãos e borrifadores com álcool 70% nas solas dos sapatos. Atente-se à marca do álcool e veja se o rótulo passa todas as informações do fabricante e autorização da Anvisa.

– As máscaras são essenciais neste momento. Caso o cliente não esteja com uma, a orientação é disponibilizar o material para compra no estabelecimento.

–  Adote a prática do agendamento e faça perguntas básicas ao cliente como: você apresenta tosse? Está com febre? Perdeu algum familiar exibindo esses sintomas nos últimos dias? Mora com alguém doente ou em quarentena?

– Indique os locais onde estarão os objetos para higienização e lavagem das mãos, além de orientar que o cliente higienize o celular e use-o o mínimo possível durante a permanência no salão.

– Todo o estabelecimento precisa estar limpo e desinfectado antes da reabertura, bem como superfícies, ferramentas, toalhas e roupas. A orientação do Sebrae é que isso aconteça mesmo que antes do fechamento pela quarentena esses cuidados tenham sido adotados.

Essa limpeza pode ser feita adotando as medidas de 250ml de água sanitária para 1 litro de água ou utilizando o álcool 70%.

A retirada de tapetes facilita na hora da limpeza. O uso de ventilação natural, com portas e janelas abertas é uma opção mais interessante para diminuir a incidência do vírus sobre o local.

Nos banheiros, priorize o sabonete líquido e toalhas de papel.

– Retire todas os itens fáceis de tocar, como revistas, tablets ou catálogo de informações que costumavam ficar disponíveis aos clientes.

– Priorize as lixeiras em todos os locais do salão, evitando que elas circulem desnecessariamente pelo ambiente. A reunião de todos os lixos deve ser armazenada em recipientes com tampa e ensacados. O funcionário também precisa usar luvas e máscara reutilizável.

Atenção com os funcionários

– É importante organizar a escala de trabalho, evitando aglomerações entre funcionários e clientes. Atente-se a quantidade de pessoas permitidas dentro de um mesmo estabelecimento no decreto de quarentena da sua região e cuide daqueles que estão no grupo de risco, mantendo-os em casa.

Esses profissionais precisam lavar e higienizar as fardas e jalecos a cada troca de clientes, principalmente se houver contato físico.  É preferível que o calçado usado no caminho entre casa e trabalho não seja o mesmo usado no salão e que a roupa de trabalho também seja diferente do caminho para casa.

– Cortem as unhas e prendam os cabelos. Não usem anéis, brincos, pulseiras, gargantilhas, relógios, colares e não compartilhem itens pessoais como maquiagem, vasilhas, talheres e celular.

– O estabelecimento deve cuidar de seus funcionários, medindo a temperatura corporal deles diariamente.

–  O treinamento de prevenção e conscientização pode ajudar e proteger toda a equipe da exposição aos riscos do vírus. Crie lembretes no ambiente de trabalho para que eles se lembrem de lavar as mãos e tomar cuidados básicos de saúde.

Veja a cartilha completa do Sebrae aqui.