Agronegócio

Safra de laranja de SP/MG recua 30,5% e confirma maior quebra da série histórica

Safra de laranja de SP/MG recua 30,5% e confirma maior quebra da série histórica

Colheita de laranja em Limeira (SP)

SÃO PAULO (Reuters) – A safra de laranja do cinturão citrícola de São Paulo e Triângulo/Sudoeste Mineiro encerrou o ciclo de 2020/21 em 268,63 milhões de caixas de 40,8 kg, queda de 30,55% no comparativo anual e que confirma a maior quebra já registrada na série histórica do Fundecitrus, iniciada em 1988.

Segundo levantamento divulgado nesta segunda-feira, os motivos para a quebra são o ciclo bienal da cultura e o clima extremamente adverso ao longo da safra.

O volume final também é 6,65% menor do que o projetado inicialmente, em maio de 2020. Em meados de dezembro o instituto já previa que, em função do tempo seco, o recuo poderia ser recorde.

“Essa foi uma safra difícil não só pelo forte impacto do clima adverso, que levou a uma significativa redução da produção, mas também pelas restrições impostas pela pandemia”, disse em nota o gerente-geral do Fundecitrus, Juliano Ayres.

O Fundecitrus explicou que, como a temporada anterior registrou produtividade recorde, as laranjeiras chegaram à época do florescimento com suas reservas energéticas em níveis mais baixos, o que acarretou uma redução significativa do número de frutos por árvore.

Já o clima desfavorável começou ainda em setembro e outubro de 2019, com veranico e temperaturas elevadas que prejudicaram a fixação dos frutos recém-formados, resultando em uma menor concentração de laranjas na florada principal.

+ Jaguar Land Rover: a luta contra a falta de confiança dos consumidores

“Durante a fase de desenvolvimento dos frutos, a seca e o calor se intensificaram com a chegada de fenômenos climáticos como a La Niña”, afirmou a análise.

No ano passado, algumas regiões produtoras ficaram até 145 dias seguidos sem chuva significativa e uma onda de calor extremo fez de setembro e outubro os meses mais quentes, com temperaturas acima das máximas históricas.

“Essa combinação deixou os frutos 6,5% menores do que a média das últimas cinco safras, provocou a maior taxa de queda de frutos já medida e causou a morte de mais de 1,3 milhão de árvores”, disse no comunicado o coordenador da Pesquisa de Estimativa de Safra (PES) do Fundecitrus, Vinícius Trombin.

O ciclo de baixa da cultura e os problemas climáticos também devem prejudicar a produção nacional de suco de laranja.

Levantamento mais recente da Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos (CitrusBR), divulgado em fevereiro, estimou que a fabricação da bebida deve atingir 817.744 toneladas de FCOJ Equivalente na safra 2020/21, segundo menor patamar da história em série iniciada em 2003/04.

Se confirmado, o desempenho também representará baixa de 32% em relação à temporada anterior, quando o setor fabricou 1,2 milhão de toneladas da bebida, o que limita a oferta de suco para exportação.

O Fundecitrus ainda disse que deve divulgar no fim de maio sua primeira projeção para a próxima safra.

(Por Nayara Figueiredo)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH3B182-BASEIMAGE

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

Tópicos

Updated