Mundo

Rússia toma maior parte da cidade de Sievierodonetsk, no leste da Ucrânia

Crédito: REUTERS / Serhii Nuzhnenko

Prédios residenciais danificados em Sievierodonetsk (Crédito: REUTERS / Serhii Nuzhnenko)



Por Pavel Polityuk e Max Hunder

KIEV (Reuters) – A Ucrânia afirmou nesta terça-feira que a Rússia tomou a maior parte da cidade industrial de Sievierodonetsk, no leste, uma terra arrasada que foi bombardeada e cuja captura se tornou o principal objetivo da invasão de Moscou.

O ataque total da Rússia à cidade na província de Luhansk, na Ucrânia, foi recebido com muita resistência das forças ucranianas. Separatistas apoiados pelos russos em Luhansk reconheceram que tomar a cidade estava levando mais tempo do que esperavam, apesar de um dos maiores ataques terrestres da guerra de três meses.

Após não conseguir capturar a capital Kiev e ser retirada do norte da Ucrânia, uma vitória russa em Sievierodonetsk e através do rio Siverskyi Donets em Lysychansk traria controle total de Luhansk, uma das duas províncias no leste que Moscou reivindica em nomes dos separatistas.




Trigo dos EUA cai em Chicago após Rússia considerar exportações de grãos ucranianos

O governador regional de Luhansk, Serhiy Gaidai, disse que quase todas as infraestruturas críticas de Sievierodonetsk haviam sido destruídas e que 60% das propriedades residenciais foram danificadas a ponto de não poderem mais ser consertadas.

“A maioria de Sievierodonetsk está sob controle dos russos. A cidade não está cercada e ainda não há os pré-requisitos para isso acontecer”, disse Gaidai. O bombardeio russo tornou impossível levar auxílio ou retirar as pessoas, acrescentou.


Um líder separatista pró-Moscou afirmou que as batalhas continuavam na cidade, mas que representantes russos avançavam mais lentamente do que o esperado para “manter a infraestrutura da cidade” e ter cuidado em torno das instalações químicas.

“Podemos dizer que um terço de Sievierodonetsk já está sob nosso controle”, disse Leonid Pasechnik, líder da República Popular de Luhansk, pró-Moscou, segundo a agência estatal de notícias russa Tass.

“ATIRANDO HOMENS E MUNIÇÕES”

O presidente russo, Vladimir Putin, agora está “atirando homens e munições” contra Sievierodonetsk, “como se tomá-la fosse vencer a guerra para o Kremlin. Ele está errado”, escreveu o instituto Study of War, sediado em Washington, esta semana.

Milhares de moradores continuam presos na cidade. Forças russas avançavam na direção da sua região central, mas lentamente, disse o governador regional Gaidai. O avanço da Rússia pode forçar tropas ucranianas a recuar através do rio para Lysychansk, acrescentou.

Jan Egeland, secretário-geral da agência de auxílio Conselho Norueguês de Refugiados, que há muito tempo operava em Sievierodonetsk, disse que ficou “horrorizado” com a sua destruição. Até 12.000 civis permanecem na linha de tiro, sem acesso suficiente a água, alimentação, remédios ou eletricidade, disse Egeland.

EMBARGO DE PETRÓLEO

Em resposta a um acordo da União Europeia de cortar importações do petróleo russo, Moscou ampliou o seu corte de gás à Europa, uma medida que aumentou os preços e acirrou a batalha econômica com Bruxelas.

A Gazprom da Rússia afirmou que fecharia seus fornecimentos à distribuidora holandesa de gás, GasTerra, à dinamarquesa Orsted e à Shell Energy, em seus contratos de gás para a Alemanha, após eles recusarem o esquema de pagamento por rublos proposto por Moscou.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, aprovou a medida da UE de cortar as importações de petróleo da Rússia para 90%, a ação mais dura do bloco até agora, mas criticou o que chamou de uma demora “inaceitável”.

(Reportagem de redações da Reuters)

tagreuters.com2022binary_LYNXMPEI4U11E-BASEIMAGE






Tópicos

acordo acordo da União Europeia Água Alemanha alimentação ataque total da Rússia ataques terrestres avanço da Rússia batalhas bombardeada bombardeio russo BRUXELAS capital Kiev captura cidade de Sievierodonetsk cidade industrial contratos de gás contratos de gás para a Alemanha controle dos russos controle total de Luhansk cortar as importações de petróleo da Rússia cortar importações do petróleo russo dinamarquesa dinamarquesa Orsted distribuidora holandesa de gás eletricidade Europa forças russas forças ucranianas gás GasTerra Gazprom governador regional de Luhansk governador regional Gaidai guerra importações de petróleo da Rússia importações do petróleo russo instalações químicas instituto Study of War invasão invasão de Moscou Jan Egeland KIEV Kremlin Leonid Pasechnik leste da Ucrânia leste que Moscou líder da República Popular de Luhansk líder separatista pró-Moscou Luhansk Lysychansk maiores ataques terrestres medida da UE Moscou munições norte da ucrânia Orsted petróleo da Rússia petróleo russo presidente russo presidente ucraniano pró-Moscou propriedades residenciais província de Luhansk províncias no leste que Moscou remédios representantes russos rio rio Siverskyi Donets rublos Rússia russos secretário-geral da agência de auxílio Conselho Norueguês de Refugiados separatistas Serhiy Gaidai Shell Energy Sievierodonetsk Siverskyi Donets Tass terra arrasada tropas ucranianas Ucrânia União Europeia vencer a guerra vitória russa Vladimir Putin Volodymyr Zelenskiy Washington