Mundo

Rússia pede aos EUA informações sobre suspeito de espionagem

Rússia pede aos EUA informações sobre suspeito de espionagem

O presidente da Rússia, Vladimir Putin - Sputnik/AFP/Arquivos

A Rússia anunciou, nesta quinta-feira (12), ter questionado Washington, por meio da Interpol, sobre o paradeiro de um ex-funcionário do Kremlin apontado pela imprensa americana como sendo um espião da CIA, Agência Central de Inteligência dos EUA.

Esta semana, jornais americanos afirmaram que agentes dos Estados Unidos conseguiram tirar da Rússia um funcionário de alto nível do Kremlin. Ele teria confirmado a ingerência direta de Vladimir Putin na eleição presidencial americana de 2016.

O suposto informante foi retirado da Rússia, em 2017, por causa de temores sobre sua segurança, acrescentam os jornais.

A porta-voz do Ministério russo das Relações Exteriores, Maria Zakharova, disse que Moscou fez contato com Washington, mediante a organização policial internacional Interpol.

“Um cidadão russo desapareceu em território de um Estado estrangeiro junto com sua família”, completou Zakharova.

“Questionamos Washington, por intermédio da Interpol, sobre o desaparecimento de um cidadão russo e sobre sua (eventual) presença nos Estados Unidos”, relatou, sem esclarecer quando Moscou enviou a nota.

Depois do noticiado na imprensa americana, o jornal russo “Kommersant” afirmou que poderia se tratar de Oleg Smolenkov, ligado ao principal assessor em política externa de Putin, Iuri Ushakov.

Smolenkov desapareceu junto com sua família em Montenegro, em junho de 2017.

Hoje, ao ser questionado se conhecia Smolenkov, Ushakov respondeu “sem comentários”.

Para Zakharova, trata-se de “propaganda clássica” dos Estados Unidos.

Segundo a CNN, Smolenkov teria passado informação secreta para os EUA durante décadas. Outros veículos disseram que ele teria confirmado aos serviços de Inteligência americanos que o próprio Putin dirigiu a interferência russa na eleição de 2016.

O Kremlin reconheceu que ele de fato trabalhou no governo, mas não tinha contato direto com Putin.