Giro

Rússia intensifica ofensiva no Donbass

Rússia intensifica ofensiva no Donbass


Ucrânia diz que russos destruíram quase 60 prédios civis em Donetsk. Zelenski afirma que situação na área é “muito difícil”. Presidente polonês discursa no Parlamento ucraniano. Kiev prolonga lei marcial.A Rússia está intensificando os ataques na região do Donbass, no leste da Ucrânia, tentando avançar sobre as cidades vizinhas de Sloviansk e Severodonetsk, informaram neste domingo (22/05) o presidente ucraniano, Volodimir Zelenski, e o Estado-Maior das Forças Armadas ucranianas.

“A situação no Donbass é muito difícil”, reiterou Zelenski em sua mensagem diária em vídeo. Ele especificou que “como nos dias anteriores, o Exército russo está tentando avançar em Sloviansk e Severodonetsk” e que “as Forças Armadas ucranianas estão impedindo essa ofensiva”.

“Em um dia, os russos destruíram 58 prédios civis na região de Donetsk. Os ocupantes bombardearam 12 localidades. Há mortos e feridos”, disse a polícia ucraniana no Telegram em um comunicado coletado pela agência Ukrinform. O texto acrescenta que “foram destruídos mais de 40 edifícios residenciais, uma escola, uma escola de música, um instituto, empresas e instalações de infraestrutura crítica”.

Na direção de Donetsk, as forças invasoras estão tentando romper a defesa das tropas ucranianas e alcançar as fronteiras administrativas da região de Lugansk.



Tropas russas realizaram ataques aéreos contra infraestrutura civil nas áreas de Vrubivka e Bakhmut, segundo o informe.

Relatório do Ministério da Defesa do Reino Unido divulgado neste domingo afirma que a cidade de Severodonetsk, na região leste de Lugansk, é uma das “prioridades táticas imediatas” da Rússia, já que suas forças implantam tanques blindados de apoio BMP-T Terminator na área.

O major-general Igor Konashenkov, porta-voz do Ministério da Defesa ucraniano, disse que mísseis lançados do ar atingiram três pontos de comando, 13 áreas de tropas e equipamentos militares ucranianos, assim como quatro depósitos de munição no Donbass.


Na região de Mykolaiv, no sul da Ucrânia, foguetes russos atingiram um sistema antidrone móvel perto do assentamento de Hannivka, cerca de 100 quilômetros a nordeste da cidade de Mykolaiv, disse Konashenkov.

Lei marcial

A Ucrânia prorrogou por mais 90 dias a vigência da lei marcial, que está em vigor desde o final de fevereiro. Em vista da guerra de agressão russa, o Parlamento em Kiev também votou para estender a mobilização geral até 23 de agosto, como vários parlamentares escreveram no serviço de notícias Telegram.

As propostas foram apresentadas pelo presidente Zelenski na quarta-feira. O aval dos deputados já era considerado certo.

“Só a Ucrânia pode determinar o seu futuro”

O presidente polonês, Andrzej Duda, se tornou neste domingo o primeiro chefe de Estado estrangeiro a discursar no Parlamento da Ucrânia desde que a invasão russa começou em 24 de fevereiro.

“Ninguém pode perturbar a unidade polaco-ucraniana”, disse Duda em seu discurso na capital Kiev.

Os parlamentares se levantaram várias vezes para aplaudir o polonês. O presidente Zelenski também estava presente.

Duda afirmou o direito da Ucrânia à autodeterminação. “Somente a Ucrânia tem o direito de determinar seu futuro”, disse Duda.

Esta foi a segunda viagem à Ucrânia do chefe de Estado polonês desde o início da guerra. Entre outras coisas, Duda está empenhado em garantir que o país vizinho receba o status de candidato à UE o mais rápido possível.

Quase 3,5 milhões de refugiados da Ucrânia entraram na Polônia até agora, fazendo com que o país seja o que mais pessoas acolheu dos cerca de 6,5 milhões de refugiados ucranianos.

md (EFE, AFP, Reuters, DPA)