Giro

Rússia bombardeia leste da Ucrânia, centro dos debates em Davos

Crédito: AFP

Coluna de fumaça após explosão de bomba em 21 de maio de 2022, em Severdonetsk, no leste da Ucrânia (Crédito: AFP)



A Rússia continuava, neste domingo (22), com seus bombardeios no leste da Ucrânia, cujo presidente, Volodymyr Zelensky, em um movimento de contra-ofensiva diplomática, prepara-se para se dirigir nesta segunda-feira às elites políticas e econômicas mundiais reunidas em Davos.

Depois de fracassar em sua tentativa de assumir o controle da capital ucraniana, Kiev, as tropas russas agora concentram seus esforços no leste deste país. Lá, os combates não dão trégua.

+ Fórum de Davos volta após dois anos, tendo Ucrânia como foco

Neste contexto, o Parlamento ucraniano aprovou a prorrogação da lei marcial e a de mobilização geral até 23 de agosto.



Segundo a Presidência ucraniana, os bombardeios russos atingiram as cidades de Mykolaiv, Kharkiv e Zaporizhia na noite de sábado. Na véspera, sete civis morreram, e dez ficaram feridos em Donetsk e, na região de Luhansk, uma pessoa faleceu, e duas ficaram feridas – todas em bombardeios, relatam os respectivos governadores.

– Ataques de maior intensidade –

“Os russos estão voltando todos os seus esforços para conquistar Severodonetsk”, afirmou o governador de Luhansk, Sergei Gaidaim, referindo-se a uma cidade que é estratégica para se conquistar toda região de Luhansk.

“A cidade está sendo destruída, como antes destruíram Rubizhn e Popasna”, denunciou Gaidai no sábado, acrescentando que os russos destruíram a ponte de Pavlograd, “o que complicará muito a retirada de civis e o fornecimento de ajuda humanitária”.


Em seu relatório diário, o Estado-Maior ucraniano informou neste domingo que o Exército russo seguia com seus ataques com mísseis e meios aéreos em todo território e até “aumentou a intensidade, usando a força aérea para destruir infraestruturas cruciais”.

Ontem, em entrevista a um canal de televisão ucraniano, o presidente Zelensky disse acreditar que “o fim [do conflito] será diplomático”. Segundo ele, a guerra “será sangrenta, haverá combates, mas definitivamente terminará pelos canais diplomáticos”.

Até o momento, foram realizadas várias reuniões entre negociadores de ambos os lados, mas sem resultados concretos.

– “Até que Ucrânia seja membro da UE” –

O presidente polonês, Andrzej Duda, que visitou Kiev neste domingo, assegurou que, a partir de agora, será impossível lidar com a Rússia “como sempre se fez”.

“Depois de Bucha, Borodianka, Mariupol, não pode haver mais ‘business as usual’ (‘negócios como de costume’, em tradução literal do inglês) com a Rússia”, declarou, em discurso no Parlamento ucraniano, em Kiev, sendo o primeiro chefe de Estado estrangeiro a fazê-lo desde o início da invasão russa, em 24 de fevereiro.

Em Bucha e Borodianka, ocupadas e posteriormente abandonadas pelo Exército russo, centenas de civis foram encontrados mortos após a passagem das forças de Moscou. E, no sudeste da Ucrânia, a cidade portuária de Mariupol foi deixada em ruínas após meses de cerco e de bombardeios incessantes que mataram pelo menos 20.000 civis, segundo as autoridades ucranianas.

O presidente polonês também disse que não descansará “até que a Ucrânia seja membro da União Europeia”.

Em uma entrevista hoje à rádio local J, o ministro-delegado francês para Assuntos Europeus, Clément Beaune, insistiu, porém, em que a adesão de Kiev à UE levará, provavelmente, 15, ou 20, anos”.

“Enquanto isso, devemos aos ucranianos (…) um projeto político, no qual eles possam entrar”, continuou, referindo-se à proposta do presidente francês, Emmanuel Macron, de que a Ucrânia entre em uma “comunidade política europeia”, um “complemento” ao processo de adesão.

– Uma mensagem para Davos –

Zelensky, que rejeita o plano de Macron, prepara-se para discursar, por videoconferência, no Fórum Econômico de Davos, que acontece na Suíça a partir de segunda-feira (23), após uma pausa de dois anos pela pandemia da covid-19.

A expectativa é que ele usará esta nova tribuna para pedir aos líderes mundiais que forneçam mais ajuda a Kiev, tanto financeira quanto militar.

Zelensky será o primeiro chefe de Estado a discursar amanhã. Muitos políticos ucranianos estarão presentes em Davos, de onde os russos foram excluídos.

Para o fundador do Fórum de Davos, Klaus Schwab, a edição de 2022 chega no momento mais oportuno e é o mais importante desde sua criação, há mais de 50 anos.

“A agressão da Rússia (…) será vista nos livros de história como o colapso da ordem nascida após a Segunda Guerra Mundial e a Guerra Fria”, afirmou ele, em um “briefing” realizado esta semana.

A Ucrânia continuará sua ofensiva diplomática na assembleia da Organização Mundial da Saúde (OMS), inaugurada neste domingo e onde apresenta, na próxima terça-feira, um projeto de resolução a seus 194 Estados-membros.

No texto, deve denunciar os ataques cometidos por Moscou contra seu sistema de saúde, condenar as consequências gravíssimas da invasão e do bloqueio dos portos ucranianos no abastecimento mundial de grãos, assim como no aumento dos preços.

Neste fim de semana, a Rússia publicou uma lista de 963 personalidades americanas proibidas de entrarem no país, em represália por sanções similares adotadas por Washington. A relação de nomes inclui Biden, seus secretários de Estado (Antony Blinken) e da Defesa (Lloyd Austin) e até o presidente da Meta. Mark Zuckerberg.







Tópicos

ataque teatro mariupol crianças Biden Rússia invasão Biden Rússia sanções bucha recapturada Chernobyl acidente nuclear Chernobyl Ucrânia história cidade ucranianas retomadas EUA mandam reforços para polônia europa interesses ucrânia exércio Rússia pausa exército russo barata tonta exército russo não avança forças russas desorganizadas fórum de Davos guerra da ucrânia pode acabar GUERRA PIB DA UCRÂNIA QUeDA 45% BANCO MUNDIAL guerra ucrânia economia GUERRA UCRÂNIA PIB Mariupol cadáveres Mariupol devastada Mariupol mortos aos milhares massacre em Bucha imagens satélite morte de civis genocídio massacre crime de guerra ucrânia negociações diretas Rússia Ucrânia hoje 29 de março norte da ucrânia o que acontece se ucrânia atacar rússia o que são armas químicas? onde fica a ucrânia onde fica Chernobyl onde já foram usadas armas químicas ONU suspende Rússia do Conselho de Direitos Humanos otan potencial bélico otan tropas por que a rússia invadiu a ucrânia por que a ucrânia é tão importante putin blefe putin esposa Putin EUA ameaça putin família putin filhos qual a importância da ucrânia no cenário geo-político quando acaba a guerra da ucrânia quantas esposas tem Putin quem negocia para Ucrânia e para Rússia? quem produz armas químicas Russia ataque contra civis Rússia cessar-fogo desescalada Rússia crimes contra a humanidade Rússia crimes de guerra russia é suspensa do conselho de direitos humanos da ONU Rússia e Ucrânia russia encerra manobras militares Rússia expulsa americano embaixada Rússia fim da guerra da ucrânia russia fronteira ucrânia Rússia invasão iminente? Russia prev~e fim da guerra da ucrânia Rússia quer dividir ucrânia? Rússia recua Rússia retirada Rússia retirada crimeia Rússia retrocede Rússia sequestra ucranianos Rússia sequestros ucrânia Rússia Ucrânia atividade econômica rússia ucrânia exército rússia ucrânia fronteiras Rússia Ucrânia gás Rússia Ucrânia história Rússia Ucrânia interesses comerciais rússia ucrânia mapa Rússia Ucrânia Otan rússia ucrânia potencial bélico Rússia Ucrânia revolução soviética rússia ucrânia tropas sanções contra filhas de putin sanções filhos filhas putin soldados russos radiação nuclear Chernobyl teatro mariupol 300 mortos ucrânia 3ª guerra mundial? ucrânia armas nucleares ucrânia armas químicas ucrânia ataca Rússia ucrânia avança ao leste de Kiev Ucrânia cidades liberadas ucrânia corre com russos ucrânia europa gás Rússia ucrânia integridade territorial ucrânia Irpin ucrânia mísseis atômicos ucrânia pode ser dividida? Ucrânia prefeita do povoado de Motyzhyn seu marido e seu filho foram mortos e enterrados cova rasa Ucrânia prevê ataque russo no leste Kiev ucrânia risco nuclear ucrânia segunda guerra mundial semelhanças ucrania usa reconhecimento facial Zelensky discursa em davos