Rumo ao “shutdown”

Rumo ao “shutdown”

O Estado vai parar por inanição financeira. Será o que nos EUA se convencionou chamar de “shutdown”, para explicar o colapso administrativo que vez por outra também acontece na maior economia do mundo. E por aqui já tem até data para acontecer. O prazo-limite gira em torno de meados de outubro. O estrangulamento orçamentário avança de maneira temerária e sem controle, ameaçando órgãos e serviços federais. Bateu na equipe econômica um desespero com relação às contas e compromissos.

A nova tacada do ministro da Economia, Paulo Guedes, é tentar arranjar ao menos R$ 13 bilhões em recursos da Caixa Econômica e do BNDES. Isso equivale a percentuais da ordem de 50% e 60% do lucro de cada um, respectivamente, que é o pagamento máximo de dividendos permitido por lei. Sem essa injeção de crédito, vem o “apagão” administrativo. A equipe técnica do governo ainda trabalha com o objetivo de desbloquear outros R$ 15 bilhões através de um descontingenciamento das dotações orçamentárias obrigatórias dos ministérios.

Reside aí boa parte do problema e a pasta de Guedes quer enviar ao Congresso um relatório, até final de setembro, com a avaliação de receitas e despesas primárias da União relativas ao quarto bimestre. Espera com isso reunir munição para pedir a mudança nos direcionamentos de caixa. Não é de hoje que os desembolsos obrigatórios estão limitando a capacidade de ação federal. Mas as coisas pioraram e muito. A expectativa é que os recursos para investimentos federais em 2020 recuem para a casa de R$ 25 bilhões a R$ 30 bilhões, numa queda equivalente a 40% do que deverá ser praticado neste ano. Em se confirmando o cenário negativo, será o pior nível de investimentos já praticado desde 2007. E isso em meio a um quadro de quase recessão.

Para diminuir pressões internas, o governo já decidiu cortar pela metade a jornada de trabalho — e ganhos adicionais — de diversos servidores. Militares incluídos. A compressão orçamentária tem levado titulares das pastas da Esplanada ao desespero. O próprio ministro da Justiça, Sergio Moro, enviou mensagem a Guedes classificando o quadro como “alarmante” e pedindo aumento de recursos para o ano que vem. No atual exercício, ele sofreu um corte da ordem de 32% na verba ministerial. No Congresso, a alteração de meta fiscal é vista como uma possibilidade. Não haverá mesmo como respeitar o teto de R$ 139 bilhões, previsto para o déficit primário de 2019. Guedes havia prometido zerar o déficit primário já no primeiro ano de Governo. Pelo visto, não vai conseguir.

(Nota publicada na Edição 1136 da Revista Dinheiro)

Veja também

+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial

+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”

+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Mais posts

O Brasil com Biden

Não dá mais para descartar a hipótese, cada vez mais concreta, de um novo governo nos EUA com o qual a bajulação bolsonarista não terá [...]

Hora do sufoco

É do conhecimento até do mundo mineral que as contas e perspectivas econômicas brasileiras não vão nada bem. Pois as novas projeções do [...]

O crescimento em “v”

Vivemos a ilusão de uma rápida, consistente e tranquila retomada econômica, no ritmo que os membros da equipe do ministro Paulo Guedes [...]

A pedalagem do renda cidadã

Foi um truque. Uma tentativa rasa de enganar a turba. O governo não se emenda. Tentou mudar o nome, de novo, do Bolsa Família – que já [...]

Lá vem o buraco fiscal

O primeiro sinal veio em forma de flexibilização da regra do teto, em uma área específica, já no corrente ano. O Congresso Nacional [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.