Giro

Roupas ‘anticovid’ podem nos proteger do coronavírus?

Crédito: Reprodução/Pexels

Segundo especialistas do Centro Nacional de Biotecnologia, da Espanha, considera que esse tipo de roupa em geral "faz muito pouco sentido". (Crédito: Reprodução/Pexels)

Algumas empresas lançaram roupas destinadas a destruir o coronavírus na pandemia. Uma marca moda espanhola desenhou uma coleção que afirma proteger “contra os germes nocivos”. Outra marca italiana afirma ter criado um tecido que pode matar o SARS-CoV-2 em poucos minutos. Mas até que ponto as roupas podem nos proteger do coronavírus?

+ USP busca voluntários para testar vacina contra HIV
+ Pfizer pede autorização para sua vacina na Argentina (ministro)



Segundo especialistas do Centro Nacional de Biotecnologia, da Espanha, considera que esse tipo de roupa em geral “faz muito pouco sentido”. Estudos apontam que a sobrevida do coronavírus no tecido é, no máximo, entre três e seis horas.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) destaca que o COVID-19 se espalha principalmente de pessoa para pessoa por meio de gotículas que são lançadas do nariz ou da boca de uma pessoa infectada ao tossir, espirrar ou falar. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA afirmam que, embora o contágio por contato com superfícies possa ocorrer, não se acredita que seja uma forma comum de disseminação do covid-19.

Alguns fabricantes de tecidos estão tentando criar roupas contra covid-19 para o público em geral, algo que, segundo especialistas, não é necessário, já que se infectar com a roupa parece improvável.

+ Confira 10 receitas para reaproveitar ou turbinar o arroz do dia a dia