Rolls-Royce verde-esmeralda de Elizabeth Taylor vai a leilão

O Rolls-Royce verde-esmeralda, mesma cor dos olhos de Elizabeth Taylor, sua antiga proprietária, vai a leilão no Pierre Hotel, em Nova York, no dia 6 de agosto. Apelidado de “Deusa Verde”, o Rolls-Royce Silver Cloud II, de 1960, é um conversível raro: foram fabricadas apenas 20 unidades. Acredita-se que apenas dois deles ainda existam. O carro foi encomendado pela atriz em 1959, logo depois do casamento com o cantor Eddie Fisher. O veículo ficou com Taylor durante 20 anos nos momentos importantes de sua carreira, como as filmagens de “Cleópatra” (1963). O carro é estimado em US$ 3,5 milhões, mas outro item pertencente à atriz também vai a leilão na mesma data: um vestido de cetim, também verde de Gianni Versace.

(Nota publicada na Edição 1132 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Que tal alugar o iate da Beyoncé? É só pagar R$ 2 milhões por semana

Divulgação Já pensou, você passar uma semana navegando pelos mares no iate do casal Beyoncé e Jay-Z? Claro que não! Mas não custa [...]

Um giro gastronômico

A impressionante vista de São Paulo a partir do 28º andar da torre de escritórios K1, em Santana, tira o fôlego de quem chega ao Lassù [...]

A moto superexclusiva de Charles Leclerc

Nascido em Mônaco e com apenas 22 anos, Charles Leclerc é considerado um fenômeno das pistas. No ano passado, terminou sua primeira [...]

O Rolex de R$ 300 mil

Marca de relógios mais icônica do planeta, a Rolex está com novas peças à venda no Brasil. Produzida em ouro branco 18 quilates e com a [...]

Um Lamborghini pra levantar poeira

Divulgação O Lamborghini Huracán Sterrato é quase uma provocação. Um supercarro, do tipo que você nunca viu. E talvez nunca veja. É que [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.