Economia

Rio Tinto: presidente do conselho renunciará por destruição de antigas cavernas

A Rio Tinto anunciou que o presidente de seu conselho, Simon Thompson, renunciará ao cargo devido à destruição de duas antigas cavernas rochosas na Austrália no ano passado, atendendo às demandas de alguns investidores por uma maior responsabilização pelo incidente.

Em comunicado, a empresa informou que Thompson não buscará a reeleição no ano que vem, vinculando a decisão à demolição, em maio, dos abrigos do desfiladeiro Juukan, que continham uma coleção de artefatos indicando que foram ocupados por humanos há mais de 46 mil anos. Ele se tornará o quarto líder sênior a deixar a segunda maior mineradora do mundo por causa do incidente, depois que Jean-Sébastien Jacques foi afastado do cargo de CEO e dois outros executivos foram demitidos.

A destruição das cavernas do desfiladeiro de Juukan ilustra como as questões ambientais e culturais ganharam importância em uma indústria que luta para mudar a percepção dos investidores de que a mineração é problemática. Alguns investidores e legisladores exigiram que as empresas mudassem a forma como lidam com os proprietários tradicionais das terras onde suas operações estão localizadas e capacitem esses grupos para levantar questões e reclamações.

Thompson está no conselho desde 2014 e é presidente desde 2018. Ele permanecerá como presidente da Rio Tinto até as assembleias anuais de acionistas no próximo ano, mas pode deixar a função antes se um substituto for encontrado. Fonte: Dow Jones Newswires.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel