Ciência

Rim de porco geneticamente modificado é transplantado em humano pela primeira vez

Crédito: NYU Langone Health/AFP/Arquivos

Uma equipe de cirurgiões do NYU Langone Hospital examina um rim de porco transplantado em um ser humano em 25 de setembro de 2021 - NYU Langone Health/AFP/Arquivos (Crédito: NYU Langone Health/AFP/Arquivos)

Cientistas americanos conseguiram fazer com que um rim de porco geneticamente modificado funcionasse em um humano, um avanço muito promissor para as muitas pessoas que esperam um transplante.



Se o sucesso for confirmado, animais poderão um dia ser criados para fornecer órgãos (pulmão, coração…) aos humanos que precisarem.

A operação foi realizada no hospital NYU Langone, em Nova York, em 25 de setembro, com um rim de porco geneticamente modificado, o que permitiu que o órgão não fosse rejeitado pelo corpo humano.

Russa Nornickel promete prêmio a cientistas que encontrem novas maneiras de uso do paládio

O rim não foi exatamente implantado em um corpo humano, mas sim conectado aos vasos sanguíneos de um paciente em estado de morte cerebral cuja família autorizou o experimento, na parte superior da perna.



O órgão “funcionou bem” durante os dois dias e meio de duração do experimento, disse à AFP Robert Montgomery, diretor do Instituto de Transplantes Langone da NYU. “Ele fez o que deveria fazer (…), produziu urina”.

Um transplante semelhante já foi tentado com primatas, mas até então nunca em humanos.

O organismo humano contém anticorpos que atacam um tipo de açúcar normalmente presente “em todas as células dos porcos”, o que causaria a “rejeição imediata” do órgão, explicou Montgomery.

Porém, o animal foi geneticamente modificado para não produzir mais esse açúcar e, assim, não foi verificada nenhuma “rejeição rápida do rim”.

Mais de 100 mil americanos estão atualmente na lista de espera por um transplante de órgão. Dezessete pessoas morrem todos os dias esperando por uma doação.

Alguns especialistas receberam a notícia com cautela, pois os resultados detalhados do estudo ainda não foram publicados em uma revista científica.

“É, no entanto, um passo interessante no caminho para o uso de porcos geneticamente modificados como fonte de órgãos para transplantes”, disse Alan Archibald, especialista em genética da Universidade de Edimburgo.

Os xenotransplantes – transferência de tecidos de uma espécie para outra – não são novos. Médicos têm tentado transplantes entre humanos e animais desde pelo menos o século XVII, inicialmente concentrando-se em primatas.


Veja também
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Vídeo: Motorista deixa carro Tesla no piloto automático e dorme em rodovia de SP
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Lago Superior: a melhor onda de água doce do mundo?