Artigos

Revogação do direito ao aborto nos EUA gera temores sobre dados pessoais online

Crédito: AFP/Arquivos

Informações que empresas como Google e Meta coletam são anônimas mas podem ser acessadas por ordem judicial (Crédito: AFP/Arquivos)



Falar com uma amiga grávida no Facebook ou buscar dados sobre o ciclo menstrual online poderiam se tornar atividades de risco nos Estados Unidos, depois que a Suprema Corte decidiu revogar o direito federal ao aborto na última sexta-feira (24). Devido ao medo de que essas pegadas digitais sejam usadas contra as mulheres que abortam e seus potenciais “cúmplices”, representantes democratas e organizações em defesa dos direitos humanos pedem às plataformas tecnológicas que garantam a defesa dos dados pessoais.

Parlamentares dos EUA iniciam batalha a longa prazo contra aborto

Mulheres do Partido Democrata pedem que Biden e Congresso protejam direitos federais ao aborto

Empresas se posicionam ante revés jurídico ao aborto nos EUA




Direito ao aborto tem avançado na Europa, mas há exceções

“A diferença entre ontem e a última vez que o aborto era ilegal nos Estados Unidos é que vivemos em uma era de vigilância online sem precedentes”, escreveu no Twitter Eva Galperin, diretora de cibersegurança da ONG Electronic Frontier Foundation (FFF).

“Se as empresas de tecnologia não querem que os dados se tornem armadilhas (…), devem parar de coletar esses dados agora. Não devem vendê-los ou tê-los quando chegarem os pedidos judiciais”, acrescentou.


Google e Meta (Facebook, Instagram, Messenger) rastreiam usuários para vender espaço publicitário ultrapersonalizado para anunciantes. Embora essa informação seja “anônima”, ainda é acessível às autoridades com uma ordem judicial.

A decisão da Suprema Corte deixa os 50 estados da União livres para proibir o aborto e pelo menos oito já o fizeram.

– Silêncio –

Algumas leis adotadas inclusive antes da decisão da Suprema Corte, como a do Texas em setembro, incentivavam os cidadãos a denunciar as mulheres suspeitas de terem abortado ou as pessoas que as ajudaram, até mesmo o motorista de aplicativo que tenha levado-as até a clínica, por exemplo.

Deste modo, o Google poderia se tornar uma “ferramenta para extremistas de direita que queiram reprimir as pessoas que buscam atendimento médico reprodutivo”, informaram 42 representantes democratas em uma carta aberta dirigida ao chefe do Google, Sundar Pichai, no final de maio.

Porque “o Google coleta e conserva extensos registros de dados de localização de centenas de milhões de celulares”, acrescentaram.  Google, Meta e Apple não responderam às perguntas da AFP sobre o caso.

“Eles se mantêm discretos” até agora, afirma Corynne McSherry, diretora jurídica da ONG EFF.

“Podem e devem fazer muito mais para proteger a confidencialidade de dados de todos os usuários”, ressaltou. “Se isso afeta seu modelo econômico, é hora de trocar de modelo”.

A associação publicou uma lista de recomendações para as plataformas, que inclui uma coleta menor de dados, criptografá-los, não compartilhá-los com atores duvidosos e não obrigar os usuários a se identificarem, entre outras coisas.

Também pede que não cedam a eventuais exigências judiciais que peçam informações sobre todos os smartphones próximos a um estabelecimento de planejamento familiar.

– Todos espiões –

Mesmo que as empresas se esforcem, isso não isentaria as próprias pessoas afetadas de tomar medidas, reconhece a ONG.

A organização aconselha usar mecanismos de busca menos exigentes em dados como DuckDuckGo, aplicativos de mensagens criptografadas como Signal ou ProtonMail, e até mesmo redes privadas virtuais (VPNs) usadas por ativistas e jornalistas em países autoritários.

No caso do TikTok e Instagram, também pedem que apaguem os aplicativos móveis para a fertilidade e a contracepção.

“Natural Cycles (NC) decidiu criar uma experiência completamente anônima”, declarou na sexta-feira no Twitter Elina Berglund Scherwitzl, co-fundadora deste aplicativo. “A meta é conseguir fazer com que ninguém – nem mesmo a Natural Cycles – possa identificar a usuária”, insistiu.

Além das empresas e dos cidadãos, a responsabilidade de proteger os dados pessoais corresponde às autoridades, lembram os políticos.

“Não corresponde aos indivíduos saber como suprimir seus rastros e quais aplicativos são seguros ou não. Cabe a nós, ao governo, fazer o nosso trabalho”, estimou na sexta-feira Sara Jacobs, representante democrata entrevistada pela AFP, que no início de junho apresentou um projeto de lei (“My Body My Data Act”) para obrigar as empresas a coletar somente as informações de saúde necessárias para exercer sua atividade.

Califórnia e outros estados americanos adotaram nos últimos anos leis para regular melhor a confidencialidade das informações pessoais online, mas o Congresso não consegue chegar a um acordo para uma lei federal.






Tópicos

aborto Aborto -- wikipédia aborto dados pessoais em plataformas digitais aborto deixa de ser legal nos EUA aborto Estados ilegal aborto ilegal nos EUA aborto já foi proibido em oito Estados aborto nos eua abortos abortos Estados Unidos abortos nos EUA Airbnb Amazon ao menos oito Estados aborto proibido ao menos oito Estados já proibiram aborto ao menos oito Estados já proibiram o aborto Biden discurso na Casa Branca após decisão Biden Suprema Corte dos EUA caça às bruxas contra mulheres abortam Citigroup como é o coágulo que sai quando aborta? Como ocorre abortos espontâneos? Como saber se o feto saiu todo compartilhar dados atividades de risco nos Estados Unidos Consequências da interrupção da gravidez corte reverteu decisão de 1973 que reconheceu o direito constitucional ao aborto corte reverteu decisão que reconhecia direito aborto dados digitais pessoas que abortam dados digitais proteção dados pessoais online dados pessoais online sobre abortos dados pessoais podem revelar que mulher abortou dados pessoais sobre aborto em plataformas digitais dakota do sul decisão aborto Suprema Corte dos EUA decisão corte sobre aborto decisão corte suprema aborto decisão deixa os 50 estados da União livres para proibir o aborto e decisão EUA aborto decisão reverte direito constitucional ao aborto decisão Suprema Corte aborto decisão Suprema Corte aborto EUA decisão Suprema Corte aborto nos EUA decisão Suprema Corte deixa os 50 estados da União livres para proibir o aborto decisão Suprema Corte dos EUA decisão Suprema Corte dos EUA sobre aborto decisão Suprema Corte EUA aborto decisão Suprema Corte limita aborto nos EUA decisão vitória republicanos dia monumental para a santidade da vida procurador Missouri dia triste para o tribunal e para o país direito a aborto direito aborto direito ao aborto direito ao aborto a nível federal direito ao aborto EUA Suprema Corte direito ao aborto nos EUA direito ao aborto passa a não ser reconhecido nos EUA direito ao aborto revogado direito ao aborto revogado EUA direito mulheres direito mulheres abortar direito mulheres optar não ter filhos direito sobre corpo mulheres direito sobre o corpo direitos das mulheres a abortar direto mulheres ao aborto discurso na Casa Branca empresas dos Estados Unidos era de vigilância online sem precedentes Estados proíbem aborto Estados tornam aborto ilegal Estados Unidos retrocesso aborto EUA proibição ao aborto EUA proibição ao aborto Suprema Corte EUA revogação direito ao aborto EUA voltam a proibir aborto Facebook FFF google Google e Meta governador de Indiana anunciou que convocará legislatura governadora da Dakota do Sul aborto ilegal governadora da Dakota do Sul declarou aborto ilegal governadora da Dakota do Sul declarou que aborto ilegal Indiana informação é anônima mas acessível com ordem juidicial Instagram joe biden Joe Biden aborto jpmorgan Chase Kristi Noem Kristi Noem governadora Dakota do Sul legislação sobre o corpo das mulheres lei todos os abortos são ilegais em Dakota do Sul leis incentivam cidadãos a denunciar as mulheres suspeitas de terem abortado leis sobre o direito das mulheres a abortar levi strauss lobby pró-escolha lobby pró-vida medo caça às bruxas contra mulheres abortam medo de repressão a mulheres que abortam medo pegadas digitais sejam usadas contra as mulheres que abortam messenger meta Metronidazol aborta missouri mulheres direito a abortar mulheres que praticaram aborto pegadas digitais O que faz perder o bebê no início da gravidez? ONG Electronic Frontier Foundation Por que acontece abortos? presidente dos EUA presidente dos EUA Joe Biden presidente estados unidos presidente Joe Biden primeiro estado a proibir aborto Missouri pró escolha pró-vida procurador-geral de Missouri primeiro a proibir aborto proteção de dados pessoais mulheres que abortaram proteção de dados pessoais plataformas tecnológicas Quais abortos são legais? Quais são as chances de perder o bebê? questão dos abortos rastreio usuários venda espaço publicitário ultrapersonalizado para anunciantes retrocesso nos EUA aborto revogação direito aborto EUA revogação do direito a aborto Revogação do direito ao aborto Sangramento após interrupção da gravidez suprema corte aborto Suprema Corte decidiu revogar o direito federal ao aborto Suprema Corte dos EUA Suprema Corte dos EUA reverte decisão histórica que garantiu direito ao aborto suprema corte estados unidos Suprema Corte EUA Suprema Corte reverte decisão garantia direito aborto Suprema Corte revoga direito aborto EUA Suprema Corte revogou direito ao aborto Suprema Corte revogou direito federal ao aborto temores caça às bruxas contra mulheres abortam temores sobre dados pessoais online Tesla vida mulheres dos EUA em risco vidas mulheres americanas em risco vitória conservadores vitória conservadores aborto EUA vitória de conservadores nos EUA vitória dos pró-vida vitória para conservadores Yelp