Geral

Reuters: EUA decidem estrangular exportações de petróleo do Irã e preço bate recorde

Reuters. Os Estados Unidos afirmaram nesta segunda-feira que vão eliminar em maio todas as isenções concedidas a oito economias que compram petróleo do Irã sem sanções, em uma medida que visa elevar a pressão para sufocar as receitas da República Islâmica.

As sanções foram impostas quando Washington pressionou o Irã a reduzir seu programa nuclear e deixar de supostamente apoiar militantes em todo o Oriente Médio.

A decisão, tomada pelo presidente Donald Trump, elevou os preços do petróleo às máximas de 2019, embora a Casa Branca tenha dito que os EUA estão trabalhando com a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos para garantir que o mercado de petróleo seja “abastecido adequadamente”.

O secretário de Estado Mike Pompeo reiterou que o objetivo de Washington é derrubar as exportações de petróleo iraniano para zero e acrescentou que os Estados Unidos não têm planos de dar qualquer período de “carência” após 1º de maio.



“Hoje estou anunciando que não vamos mais conceder isenções”, disse Pompeo em um comunicado. “Estamos indo para zero. Vamos zerar o placar.” Os preços do petróleo Brent trabalham em alta após tocarem mais cedo uma máxima de US$ 74,31 por barril, maior nível desde o início de novembro.

Unilateralidade
Os Estados Unidos voltaram a impor sanções em novembro às exportações de petróleo iraniano depois que Trump retirou-se unilateralmente de um acordo nuclear de 2015 entre o Irã e seis potências mundiais. Trump criticou frequentemente o acordo, alcançado pelo antecessor Barack Obama, como “o pior negócio de todos os tempos”.

Juntamente com as sanções, Washington concedeu isenções a oito economias que reduziram suas compras de petróleo iraniano, permitindo que continuassem a comprá-lo sem incorrer em sanções por mais seis meses. Eram China, Coreia do Sul, Grécia, Índia, Itália, Japão, Taiwan e Turquia.

Queda de 60%
Os Estados Unidos haviam discutido nos últimos dois meses se renovariam ou não algumas isenções, evitando um aumento nos preços do petróleo e dos combustíveis, o que poderia prejudicar os consumidores norte-americanos.
As exportações do Irã caíram 60% para menos de 1 milhão de barris por dia, de mais de 2,5 milhões antes de as sanções serem reimpostas.

Nos últimos meses, a Arábia Saudita e outros membros da Opep reduziram drasticamente o suprimento. Enquanto o reino deve aumentar a produção novamente, os analistas temem que o movimento dos EUA — com as sanções à indústria petrolífera da Venezuela — deixará o mundo com capacidade inadequada.

Reportagem adicional de Makini Brice e Doina Chiacu

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago