Giro

Retomada das atividades no Pará registra aglomeração e não segue regras

O retorno das atividades econômicas em 47 municípios da região metropolitana de Belém, de Marajó Oriental, Baixo Tocantins e do Araguaia foi intenso. A movimentação desta segunda-feira, dia 1º, principalmente na capital paraense, chegou próximo à normalidade, quando a cidade não estava ameaçada com a pandemia do novo coronavírus.

Nos pontos de ônibus e no centro comercial, muita aglomeração e desrespeito aos protocolos de distanciamento social e sanitários, estabelecidos em decreto estadual e municipal, que preveem a retomada gradual da economia e da prestação de serviços.

A volta ao trabalho levou muitos paraenses às ruas e a movimentação foi alta tanto nos bairros nobres quanto na periferia, com a reabertura de 2.500 estabelecimentos comerciais que estavam fechados desde o dia 7 de maio. As ruas do centro ficaram lotadas de famílias que foram às compras, de pessoas que procuravam bancos, de comerciantes e lojistas.

Por volta das 9h30 desta segunda, uma fila se formou em frente à uma loja de decoração e de utilidades para o lar, próxima à prefeitura de Belém. Funcionários do estabelecimento tentavam manter a regra de 50% de ocupação do espaço, restringindo a entrada de clientes. Com chuva que caiu a tarde, porém, os consumidores entraram no local e ficaram todos aglomerados.

Ainda no centro comercial, houve disputa por uma vaga de estacionamento. Na Praça Felipe Patroni, que normalmente é bastante movimentada por estar cercada de órgãos públicos – atividade suspensa até o momento -, houve grande fluxo de consumidores indo ao comércio. Às 10h, filas de carros estavam à espera de vagas na Rua João Diogo.

Na Avenida 16 de novembro, os pontos de táxi e de ônibus estavam cheios. Os coletivos também passavam lotados, quando deveriam circular com menos da capacidade máxima de pessoas sentadas. No complexo do Ver-o-Peso, uma grande quantidade de ambulantes e consumidores tomava conta do espaço.

Desrespeito

Pelas ruas estreitas do centro comercial, a maior parte das pessoas que circulavam fazia o uso de máscaras de proteção, mas se mantinha aglomerada, sem respeitar o distanciamento social de 1,5 metro.

Grande parte dos lojistas não oferecia álcool em gel aos clientes, tampouco limitava o acesso à parte interna de uma pessoa por família, como rege o decreto municipal. A ocupação de maneira intercalada dos caixas de pagamento das lojas, para respeitar a distância mínima, pouco foi vista pela reportagem.

Um estabelecimento de produtos eletrônicos localizado Rua 13 de Maio tentou seguir as normas, com o controle da entrada de clientes. Porém, devido à calçada estreita, as pessoas na fila que aguardavam ao lado fora se esbarravam umas nas outras, disputando o curto espaço com carros e ambulantes.

Comerciantes denunciam falta de informação

Thelma Trindade, de 55 anos, foi às compras e disse que não imaginou encontrar tantas pessoas nas ruas. “Faço máscaras e roupas para vender, e resolvi comprar tecidos hoje. Mas já vou voltar pra casa, pois nunca imaginei ver tanta gente circulando no meio de uma pandemia”, espantou-se.

Ao tentar justificar o não cumprimento dos protocolos de higiene e de distanciamento, os lojistas culpam os governantes pela falta de informações concretas para o primeiro dia de retorno às atividades, depois do “lockdown” de três semanas e de mais uma semana com medidas de circulação mais rígidas. “Uma hora o governador diz que vai abrir tudo, depois, o prefeito diz que não vai. Não sabemos nem como nos preparar, nem a quem ouvir”, disse o vendedor José Carlos Mota.

Na última sexta-feira, em coletiva à imprensa, o governador Helder Barbalho (MDB) anunciou o programa Retoma Pará, com a liberação de 36 atividades econômicas, entre elas o comércio de rua, salões de beleza, barbearias e shoppings centers. Na oportunidade, os protocolos a serem adotados na retomada e os meios de fiscalizações não foram anunciados. Segundo Barbalho, as informações sairiam em edição extra do Diário Oficial do Estado (DOE) no mesmo dia – o que não ocorreu.

O documento foi publicado apenas na manhã de domingo, 31, tendo o texto sido reeditado à tarde. O decreto prevê as medidas do programa Retoma Pará com o retorno dos segmentos econômicos de forma gradativa, mantendo o distanciamento e protocolos específicos, dada à classificação por nível de risco de cada região de saúde estabelecida pela gestão estadual.

A jurisdição das medidas, no entanto, é de competência da prefeitura municipal, que, por sua vez, publicou o Decreto n.º 96.378/2020 apenas na manhã desta segunda-feira, 1.º, quando os comerciantes já estavam na ativa.

Veja também

+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos

+Conheça os 42 anos de história da picape Mitsubishi L200

+ Remédio barato acelera recuperação de pacientes com covid-19

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?