Giro

Restrições por covid-19 aumentam para milhões de britânicos

Crédito: AFP

Ponto para realização de testes de detecção do coronavírus instalado em Cattle Market, em Kingston, em 20 de outubro de 2020, ao sul de Londres (Crédito: AFP)

Milhões de britânicos se veem, a partir desta sexta-feira (23), sob mais restrições adotadas contra a pandemia em suas regiões e, em Gales, entra-se em um confinamento geral, na tentativa de controlar a segunda onda de coronavírus no território.

País mais castigado da Europa com mais de 44.000 mortos confirmados por covid-19, o Reino Unido adotou um confinamento em bloco em março e foi aliviando as restrições, progressivamente, a partir de junho.

Diferentes regras anticovid confundem moradores de cidade na fronteira Inglaterra-Gales

Saúde: País registra 497 mortes por covid-19 em 24h, total chega a 155.900

Desde então, porém, cada uma das quatro nações que compõem o território adota suas próprias medidas em nível local.

Assim, a partir das 18h (14h no horário de Brasília), Gales será a primeira região do país a reconfinar toda sua população: seus mais de três milhões de habitantes terão de “ficar em casa” até 9 de novembro.

Todos os estabelecimentos comerciais não essenciais vão fechar as portas, enquanto alunos de Ensino Fundamental e alguns do Médio poderão voltar às aulas depois das férias, no início de novembro.

Na Inglaterra, o governo de Boris Johnson tenta evitar um novo confinamento geral, mas mais da metade de seus 56 milhões de habitantes vive sob os níveis “alto”, ou “muito alto”, de restrições locais.

No noroeste, Manchester entrou no nível máximo nesta sexta pela manhã, após vários dias de embates entre o Executivo do primeiro-ministro Boris Johnson e as autoridades locais, que exigiam uma maior compensação financeira para os negócios obrigados a fechar, como bares e “pubs” que não servem comida.

Além disso, seus 2,8 milhões de habitantes não podem se reunir em casa com familiares e amigos que não vivam sob o mesmo teto, como já acontece com dez milhões de londrinos, entre outros.

Um pouco mais ao leste, a região de South Yorkshire terá esse mesmo destino a partir desta sexta à noite, elevando para 7,3 milhões o número de ingleses submetidos ao nível máximo de restrições atualmente em vigor.

Já a Escócia deve anunciar ainda hoje um novo sistema de alerta em cinco níveis.

Na quinta-feira, um das autoridades locais de saúde advertiu que os escoceses devem se preparar para um “Natal digital”. Ao ser questionado pela emissora BBC, Jason Leitch considerou que é “muito cedo para dizer” quantos lares poderão se reunir para as festas, mas que, de forma alguma, será um “Natal normal”.

Na semana passada, a Irlanda do Norte fechou “pubs” e restaurantes por um mês e estendeu as férias escolares.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?