Ciência

Restrição de idade para vacina da AstraZeneca zera casos de coágulos raros, diz estudo britânico

Crédito: REUTERS/Rachel Wisniewski

AstraZeneca: coquetel de anticorpos AZD7442 reduziu de forma significativa a incidência de casos sintomáticos de covid-19 durante os testes clínicos de fase 3 (Crédito: REUTERS/Rachel Wisniewski)

LONDRES (Reuters) – O Reino Unido não registrou nas últimas semanas nenhum novo caso de coágulo sanguíneo raro e grave depois de vacinação contra Covid-19 com o imunizante da AstraZeneca, após decisão de limitar o uso em pessoas menores de 40 anos, disseram cientistas britânicos nesta quarta-feira.



Trombocitopenia trombótica induzida por vacina (VITT) é uma combinação de coágulos sanguíneos e baixos níveis de plaquetas que foi rotulada como um efeito colateral raro em vacinas de vetor viral contra Covid, como as produzidas pela AstraZeneca e pela Johnson & Johnson.

+ Anvisa autoriza uso emergencial de novo medicamento contra a covid-19

Uma ocorrência maior do efeito colateral em pessoas mais jovens levou muitos países a colocarem restrições de idade para a vacina da AstraZeneca.

Cerca de 85% das pessoas que sofreram coágulos sanguíneos raros após a vacinação com AstraZeneca no Reino Unido tinham menos de 60 anos, apesar de mais vacinas terem sido administradas a idosos, concluiu o estudo, em uma das caracterizações mais completas da síndrome até agora.



A pesquisa mostrou que nas pessoas com menos de 50 anos a incidência era de cerca de 1 em 50.000, em linha com as estimativas anteriores, e os especialistas disseram que o estudo reforçou o entendimento prévio do cálculo do risco-benefício da vacinação.

Sue Pavord, hematologista consultora do Hospital da Universidade de Oxford que liderou a pesquisa, disse que o incidente geralmente afetou jovens que eram saudáveis, e que seria especialmente perigoso se resultasse em sangramento no cérebro.

Mas ela acrescentou que um pico inicial de casos do efeito colateral diminuiu com o impacto da decisão do Reino Unido de oferecer vacinas alternativas para menores de 40 anos em maio.

“Não vimos novos casos nas últimas quatro semanas e isso foi um grande alívio”, disse ela a repórteres.

O artigo foi publicado no New England Journal of Medicine.

(Reportagem de Alistair Smout)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH7A1BW-BASEIMAGE


Veja também
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Vídeo: Motorista deixa carro Tesla no piloto automático e dorme em rodovia de SP
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Lago Superior: a melhor onda de água doce do mundo?