Giro

Restos de nove Neandertais foram encontrados na caverna ao sul de Roma

Crédito: Reprodução/Divulgação

Os pesquisadores encontraram vestígios de vegetais ao lado de restos humanos e de rinocerontes, veados gigantes, cavalos selvagens e, claro, hienas ferozes. (Crédito: Reprodução/Divulgação)

Arqueólogos italianos desenterraram os ossos de nove Neandertais que foram supostamente caçados e atacados por hienas em sua toca a cerca de 100 km a sudeste de Roma, na Itália.

Cientistas da Superintendência Arqueológica Latina e da Universidade de Tor Vergata, em Roma, disseram que os restos mortais pertencem a sete homens adultos, uma mulher e de um menino.



+ Fósseis achados há 24 anos em SP são de espécie inédita de dinossauro no Brasil

Os especialistas acreditam que os indivíduos viveram em períodos de tempo diferentes. Alguns ossos podem ter 50.000 a 68.000 anos, ao passo que se acredita que os vestígios mais antigos tenham 100.000 anos.

Os restos mortais de Neandertal, que incluem calotas cranianas e mandíbulas quebradas, foram encontrados na caverna Guattari, que já havia ganhado notoriedade pela presença de fósseis desses primos humanos distantes, encontrados por acaso em 1939. Desde então, nenhum outro resto humano havia foi descoberto em Guattari.

+ Especialista revela o segredo dos bilionários da bolsa. Inscreva-se agora e aprenda!


Os pesquisadores encontraram vestígios de vegetais ao lado de restos humanos e de rinocerontes, veados gigantes, cavalos selvagens e, claro, hienas ferozes. De acordo com os pesquisadores, a maioria dos neandertais foi morta por hienas e depois arrastada de volta para a caverna que havia transformado em sua toca. Uma vez dentro, os animais consumiram suas presas.

Mesmo antes de esses predadores ferozes tomarem posse da caverna, os especialistas não excluem a possibilidade de que os neandertais já tenham feito dela seu lar. Rolfo anunciou que sua equipe de pesquisadores pretendia analisar o DNA desses indivíduos para entender seus modos de vida e história.


Uma análise preliminar do tártaro dentário revelou que sua dieta era variada. Eles consumiam principalmente cereais, o que contribuía para o crescimento de seus cérebros.

“É uma descoberta extraordinária da qual o mundo inteiro falará”, disse o ministro da cultura da Itália, Dario Franceschini. “Essas descobertas ajudarão a enriquecer os estudos sobre os neandertais.”

Os neandertais habitaram a Eurásia, da costa atlântica aos montes Urais, de cerca de 400.000 anos atrás até pouco depois de 40.000 anos atrás, desaparecendo depois que nossa espécie se estabeleceu na região. No ano passado, vestígios e ferramentas encontrados na Bulgária revelaram que humanos modernos e Neandertais estiveram presentes ao mesmo tempo na Europa por vários milhares de anos, dando-lhes bastante tempo para interação biológica e cultural.

Frequentemente retratados como parentes simples e atarracados dos humanos modernos, os neandertais tinham, de fato, cérebros semelhantes e desenvolveram uma cultura rica. Além de suas complexas ferramentas de pedra e joias pintadas, os neandertais costumavam adornar cavernas de arte, deixando estênceis de mão para os humanos modernos refletirem muito depois de terem morrido.