Edição nº 1096 15.11 Ver ediçõs anteriores

Resposta instantânea

Dan Balter, empreendedor e especialista no ecossistema de startups de Israel

Resposta instantânea

O que o Brasil pode aprender com Israel na questão do desenvolvimento de startups?
É comum em Israel aceitar que algo falhou e que as falhas fazem parte de um processo de aprendizado. Você não consegue investimentos em sua empresa se não provar que aprendeu com os erros. No Brasil, se você falha como empreendedor, fica marcado como “aquele que falhou”.

O Brasil tem presenciado o crescimento de startups do setor financeiro. Ainda há espaço para que mais empresas desse ramo prosperem no País ou as fintechs são uma moda passageira?
É claro que existe espaço. Grande parte das fintechs que surgem no mercado fazem mais do mesmo. Ou seja, atuam com serviços que já existem. A empresa que conseguir unir diversos serviços em uma só plataforma e dar ao consumidor uma experiência mais satisfatória do que a que ele tem nos bancos, será a que terá sucesso.

(Nota publicada na Edição 1082 da Revista Dinheiro)


Mais posts

O mea culpa do Google

Demorou, mas o Vale do Silício parece estar finalmente tomando atitudes mais rigorosas em relação a casos de assédio. O CEO do Google, [...]

Do console à nuvem

(Nota publicada na Edição 1096 da Revista Dinheiro)

Começo promissor

A startup brasileira Olho do Dono foi considerada a mais promissora do continente na primeira edição TechCrunch Battlefield com [...]

A Ameaça alemã ao Tesla

A Volkswagen quer competir de frente com a Tesla, fabricante americana de automóveis elétricos. A empresa alemã pretende discutir um [...]

1,455 bilhão

É a queantia de smartphones serão vendidos no mundo em 2018, queda de 0,7% sobre 2017. mas a curva voltará a subir. estima-se 1,646 bilhão de aparelhos em 2022. (Nota publicada na Edição 1096 da Revista Dinheiro)

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.