Giro

Republicanos anunciam que irão se opor a impeachment de Trump

Crédito: AFP/Arquivos

A presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, enviará ao Senado un artigo de acusação contra Trump por incitar a insurreição no Capitólo de 6 de janeiro de 2021 (Crédito: AFP/Arquivos)

Os congressistas republicanos deram sinais neste domingo (24) de que os democratas não terão uma vida fácil no julgamento de impeachment de Donald Trump, que começará em fevereiro, o primeiro de um ex-presidente.

A Presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, enviará ao Senado na segunda-feira a acusação de somente um artigo contra Trump por incitar a insurreição no Capitólio em 6 de janeiro, o que resultou na morte de cinco pessoas.

+ Johnson e Biden concordam em “fortalecer a aliança” entre Londres e Washington
+ Primeira reunião bilateral entre Biden e Trudeau ‘no próximo mês’, anuncia Ottawa

Enquanto ambos os partidos se preparam para o que deve ser um julgamento rápido, os líderes republicanos anunciaram que vão resistir aos argumentos políticos e constitucionais, levantando dúvidas de que os democratas obtenham os 17 votos republicanos de que precisam para uma condenação.



Ambos os partidos têm 50 cadeiras no Senado – a vice-presidente Kamala Harris decide em caso de empate -, mas dois terços são necessários para uma condenação, o que equivale a 67 votos.

“Acho o julgamento estúpido. Acho que é contraproducente. Já temos um incêndio neste país e é como pegar gasolina e jogar nas chamas”, criticou Marco Rubio, líder republicano do Comitê de Inteligência do Senado, em declarações à emissora Fox News.

Rubio reconheceu que Trump – que inflamou uma multidão que mais tarde invadiu o prédio do Congresso – “carrega alguma responsabilidade pelo que aconteceu”. Mas “reviver isso novamente” será ruim para o país, continuou o senador, um candidato presidencial derrotado por Trump nas primárias de 2016.

Outros republicanos argumentaram que o Senado não tem autoridade para processar um cidadão comum, o que Trump é agora que deixou o cargo.

O senador Mike Rounds disse à NBC no programa “Meet the Press” que a Constituição não permite o impeachment de um ex-presidente.

“Há outras coisas em que devemos trabalhar”, como as confirmações dos indicados para formar o gabinete do presidente Joe Biden.

Mas o senador Mitt Romney, um candidato presidencial republicano em 2012 e ferrenho crítico de Trump, disse à CNN que “a preponderância das opiniões legais é que o impeachment depois que um presidente deixa o cargo é constitucional. Acho que é o caso”.

O republicano de Utah, o único que votou contra Trump no julgamento de impeachment ocorrido no início de 2020, deu a entender que fará o mesmo desta vez.

“O que se presume e o que vimos, que é o incitamento à insurreição, é uma ofensa passível de impeachment. Se não for, então o que é?”.

Enquanto isso, o presidente Biden se distanciou do assunto, ansioso para deixar o governo Trump para trás e concentrar suas forças na luta contra a covid-19 e na recuperação econômica.

A porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, disse que o presidente “acredita que cabe ao Senado e ao Congresso determinar as responsabilidades do ex-presidente”.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago