Edição nº 1079 20.07 Ver ediçõs anteriores

Renovar é preciso

Renovar é preciso

Há momentos na História em que o novo impõe sua força e move pessoas, empresas e países. Quiçá até planetas, sugere o lançamento do superfoguete do empresário Elon Musk, que levou um carro ao espaço na semana passada. Além de revolucionar a ordem das coisas nos setores automotivo e espacial, entre outros, a ambição ilimitada de Musk pode levar a primeira colônia humana a se estabelecer em Marte, num futuro não tão distante assim. O planeta vermelho não precisa de nós, mas o escritor israelense Yuval Noah Harari tem razão: o espírito predador do homo sapiens não tem limites e deixou a Terra pequena demais para nossa espécie. É preciso romper as fronteiras do pensamento, dos negócios e do mundo, inovar e seguir adiante. Ou não seríamos humanos.

Se a inovação e a implementação comercial bem sucedida de produtos e serviços disruptivos são a mola propulsora da invasão de territórios desconhecidos, a manutenção de um espírito permanente de renovação é o segredo do sucesso dos líderes que não têm medo de errar, fazem uma boa gestão de riscos e seguem adiante, reinventando seus negócios e a maneira de se relacionar com os clientes. O desafio é fazer isso sem perder o que há de bom, mantendo a boa cultura da empresa e a geração de caixa e de lucro para sustentar os novos investimentos.

Isso vale para empresas como a Tesla, de Elon Musk, e o Bradesco, que rejuvenesceu o comando e enfrenta a concorrência de novos competidores altamente tecnológicos e digitais – tema da reportagem de capa desta edição. E também vale para o Brasil. Como renovar um país de forma segura, sem correr o risco de mergulhar num atoleiro político e econômico nas mãos de aventureiros inconsequentes? Como deixar no passado líderes históricos que afundaram na lama, vivem em outro mundo e não servem mais ao bem comum? Para o País atender aos novos anseios da população por uma sociedade mais justa e equilibrada, precisará deixar para trás velhos costumes, que incluem a corrupção em todas as esferas sociais e mania de quebrar os cofres públicos e deixar a conta para as próximas gerações.

Nos últimos 20 anos, esta revista inovadora – a DINHEIRO foi a primeira semanal de economia no País e hoje entrega um conteúdo diferenciado aos seus leitores em todas as plataformas digitais e redes sociais, inclusive em formato de vídeos – retratou todas as mudanças importantes na economia, nos negócios, nos investimentos e na tecnologia no Brasil e no mundo. Tive o privilégio de participar da fundação da DINHEIRO, em 1997, e de atuar como diretor de redação nos últimos sete anos. Foram anos incríveis e inesquecíveis, mas é hora de renovação. Passo o bastão para o supercompetente redator-chefe, Carlos Sambrana, e sigo adiante em minha corrida no universo da comunicação. A DINHEIRO é um foguete em ascensão e continuará a surpreender os leitores nos mundos real e virtual. Missão cumprida!

(Nota publicada na Edição 1056 da Revista Dinheiro)


Mais posts

O estrago irreparável da greve

Saiu a conta do desastre criado no País com a paralisação dos caminhoneiros. E ela é pesada, difícil de contornar e com reflexos [...]

Farra parlamentar

Parece uma sina da qual o País nunca consegue escapar. Em ano eleitoral é sempre a mesma coisa: parlamentares correm a aprovar projetos [...]

O plano econômico dos presidenciáveis

Vai encurtando o tempo até as eleições e ainda pairam dúvidas enormes sobre o que cada um dos candidatos ao Planalto pretende fazer, [...]

O Brasil ganha na guerra comercial

Depois que os EUA decidiram abrir guerra pesada contra a China no campo comercial, o mundo prendeu a respiração, as bolsas balançaram e [...]

As incertezas do capital

Há um termômetro absolutamente infalível no que se refere à credibilidade de uma economia: o investimento externo. Ele é tanto maior e [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.