Giro

Renato Portaluppi completa quatro anos como treinador do Grêmio

Nesta sexta-feira (18), Renato Portaluppi completa quatro anos à frente do Grêmio. É a terceira passagem do treinador pelo clube e a mais longeva, desde que foi campeão do mundo como jogador. A conquista de 1983, lhe valeu inclusive uma estátua em sua homenagem na esplanada da Arena do Tricolor Gaúcho, na capital Porto Alegre (RS). Apesar de ídolo, surgem cada vez mais críticas entre os torcedores e rumores de que mais um técnico pode perder o cargo no recém-iniciado Campeonato Brasileiro, independente do tempo e dos serviços prestados.

“Os próximos jogos contra o Fortaleza e o arquirrival Internacional pela Libertadores da América serão decisivos”, acredita Waldir Luiz, comentarista da Rádio Nacional. Ele destaca ainda a vitoriosa passagem de Renato pelo Imortal. “Em 2016, ganhou a Copa do Brasil, recuperando um time meio esfacelado. No ano seguinte, a Libertadores da América e, agora, levou o terceiro título consecutivo no estadual”.

Durante coletiva hoje (18), o presidente do clube Romildo Bolzan reiterou sua convicção no trabalho de Portaluppi. No entanto, o treinador foi enfático ao comentar as críticas recentes. “Se achar que estou atrapalhado, vou ser o primeiro a sair. Ainda mais no clube que amo, que me dedico há quatro anos. Quando não estiver me sentindo bem vou ser o primeiro a sair. Resolvo em dois minutos, afirmou.

O tricampeonato gaúcho conquistado recentemente diante do Caxias do Sul era um feito que não acontecia há 32 anos. Contudo, a queda de rendimento no Brasileirão e a derrota na última quarta-feira (16) para os chilenos da Universidad Católica no retorno da Copa Libertadores, aumentaram a pressão sobre o treinador. O grupo de cerca de 50 torcedores que foi ao aeroporto no dia seguinte recepcionar o time, deixaram o recado, “Não é mole não, ganhar Gre-Nal virou obrigação”.

O jornalista Márcio Guedes, comentarista da TV Brasil,  lembra que a permanência de um treinador tanto tempo no cargo contraria as estatísticas nacionais. Em 2020, em dez rodadas, sete técnicos já foram demitidos na Série. Antes da sequência de títulos gremistas, Renato só havia conquistado uma Copa do Brasil pelo Fluminense, em 2007. “Ele provou que é um profissional de bom nível e que vem evoluindo. Não se trata de um grande estrategista, mas tampouco de um técnico fraco. Agora, as últimas atuações do time são sofríveis. Há desgaste físico e houve a perda de Luan e Everton Cebolinha”.

Para Mário Silva, cronista esportivo da Rádio Nacional, existe uma conjuntura negativa. “Além de perder jogadores importantes, muito tempo no comando cria um desgaste natural. Também falta dinheiro, por conta da pandemia, para maiores investimentos. A mudança é possível e faz parte da nossa mentalidade:  nós não somos britânicos”, ressaltou Silva, em alusão ao escocês Alex Ferguson, que ficou 27 anos no comando do Manchester United, e se sagrou o maior campeão de todos os tempos.

Veja também

+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial

+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”

+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?