Economia

Relatório denuncia grandes bancos por lavagem de enormes quantias de dinheiro sujo

Crédito: AFP

Um mulher conta dinheiro em frente a uma agência americana de envio de remessas em San Isidro, 70 km a nordeste de San Salvador, em 10 de junho de 2020 - AFP (Crédito: AFP)

Quantias astronômicas de dinheiro sujo fluíram pelos maiores bancos do mundo durante anos, de acordo com um relatório do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ) divulgado neste domingo.

“Lucros das guerras mortais contra as drogas, fortunas desviadas dos países em desenvolvimento e poupanças suadas roubadas em esquemas Ponzi conseguem entrar e sair dessas instituições, apesar dos avisos dos próprios funcionários dos bancos, aponta a investigação realizada por 108 meios de comunicação de 88 países.

Malásia e Goldman Sachs assinam acordo de US$ 3,9 bi por caso de corrupção

Fed: novas exigências de capital para grandes bancos entram em vigor em 1/10

A investigação é baseada em milhares de “relatórios de atividades suspeitas” enviados por bancos de todo o mundo à FinCen, a polícia financeira do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos.

“Esses documentos, compilados por bancos, compartilhados com o governo mas mantidos fora da vista do público, expõem a fragilidade das salvaguardas bancárias e a facilidade com que os criminosos as exploram”, escreveu o site Buzzfeed, na apresentação do relatório.

Os documentos apontam para transações de dois trilhões de dólares entre 1999 e 2017.

A investigação aponta em particular para cinco grandes bancos (JPMorgan Chase, HSBC, Standard Chartered, Deutsche Bank e Bank of New York Mellon) que acusa de mobilizar bens de supostos criminosos, mesmo depois de eles terem sido processados ou condenados por crimes financeiros.

“As redes pelas quais o dinheiro sujo circula pelo mundo se tornaram artérias vitais para a economia global”, de acordo com o Buzzfeed News.

O Deutsche Bank afirmou que as divulgações “são bem conhecidas” dos órgãos reguladores. O banco alemão alega ter alocado “recursos significativos para fortalecer seus controles”, bem como para cumprir “suas responsabilidades e obrigações.

A investigação destaca a falta de poder das autoridades norte-americanas para regular operações financeiras sujas.

Antes de o relatório ser divulgado, a polícia financeira do Tesouro alertou que a divulgação de relatórios de transações suspeitas sem permissão é um “crime que pode afetar a segurança nacional dos Estados Unidos”.

Veja também

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?