Mundo

Reino Unido proíbe 7 propagandas sobre criptomoedas; veja quais são

Crédito: Pixabay

O monitoramento de criptoassets, como a moeda digital Bitcoin, é considerada uma das principais atividades da ASA (Crédito: Pixabay)

A Advertising Standards Authority (ASA), órgão que fiscaliza a publicidade do Reino Unido,  proibiu a veiculação de sete propagandas de criptomoedas. A ação foi tomada após a entidade concluir que os anúncios não eram claros sobre os riscos dos investimentos.  

O monitoramento de criptoativos, como a moeda digital Bitcoin, é considerada uma das principais atividades da ASA, que estabelece o chamado “alerta vermelho” para publicidades que oferecem risco à população, além de possíveis punições. 

+Bitcoin perde um quinto de valor; US$ 1 bilhão em critpomoedas é liquidado



Os mais novos sete integrantes a cair na fiscalização da entidade foram: 

  • eToro: plataforma de comercialização de criptomoedas e ações.
  • Payward: bolsa de criptomoeda.
  • Coinburp: plataforma de comercialização de criptomoedas.
  • Exmo Exchange: serviço de troca de criptomoedas.
  • Coinbase Europe: plataforma de troca de criptomoedas.
  • Papa John’s GB: ação promocional na web da rede de pizzarias Papa John’s.
  • Luno Money: serviço de troca de criptomoedas.

Vale ressaltar que as empresas não sofreram fiscalização, apenas determinadas ações publicitárias foram analisadas. Segundo a ASA, os responsáveis foram “proibidos por se aproveitarem irresponsavelmente da inexperiência dos consumidores e por não ilustrarem o risco do investimento”. 

Objetivo do Alerta vermelho

As medidas e proibições são parte de um projeto, liderado pela ASA, que busca orientar a publicidade britânica com foco em 2022. 

+ Confira 10 receitas para reaproveitar ou turbinar o arroz do dia a dia


“Cryptoassets são uma questão prioritária de alerta vermelho para nós. Os consumidores precisam saber sobre os riscos de investir em criptoassets e as empresas devem se certificar de que seus anúncios não sejam enganosos ou socialmente irresponsáveis”, completou Miles Lockwood, diretor de reclamações e investigações do watchdog, para a rede BBC.