Política

Reforma ministerial: Bolsonaro fecha nomes que deixarão governo para concorrer nas eleições

Crédito: Arquivo/Agência Brasil

Ministros deixarão o governo para disputar vagas no Senado ou governos estaduais e, pelas regras eleitorais, têm que se descompatibilizar dos atuais cargos (Crédito: Arquivo/Agência Brasil )



Pelo menos nove ministros deverão deixar seus cargos para disputarem cargos na eleição deste ano. Diante disso, o presidente Jair Bolsonaro já começa a pensar nos nomes dos novos ministros para ocupar as funções dos que deixaram o primeiro escalão do governo até o fim do mês para concorrer às eleições.

De acordo com o g1, o presidente já fechou esses nomes. Os ministros deixarão o governo para disputar vagas no Senado ou nos governos estaduais e, pelas regras eleitorais, têm que se descompatibilizar dos atuais cargos.

+ Em SP, Lula lidera com 39% da preferência, diz Genial/Quaest; Bolsonaro tem 25%

Confira os ministros que vão deixar o governo para se candidatar:




  • Tarcísio Freitas (Infraestrutura)
  • Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos)
  • João Roma (Cidadania)
  • Flávia Arruda (Secretária de Governo)
  • Tereza Cristina (Agricultura)
  • Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional)
  • Gilson Machado (Turismo)
  • Onyx Lorenzoni (Trabalho)
  • Braga Netto (Defesa), que deverá ser candidato a vice-presidente na chapa de Bolsonaro nas eleições

Na maioria das trocas, a tendência é que algum executivo que já esteja na atual estrutura dos ministérios assuma a Pasta. Este seria, por exemplo, o caso da Agricultura, em que o secretário-executivo, Marcos Montes, tem apoio da bancada ruralista.

Já na Defesa, a mudança seria mais estratégica e, segundo o blog da jornalista Andreia Sadi, Bolsonaro deve optar por um comandante do Exército, Paulo Sérgio Nogueira, para a pasta. E para o comando do Exército iria o atual comandante de Operações Terrestres da Força, general Freire Gomes, nome considerado alinhado ao bolsonarismo.

Ainda não há definição sobre os substitutos, porque partidos aliados como o PP e o PL, sigla de Bolsonaro, querem ocupar mais espaço.