Giro

Rede privada receberá vacinas só depois do SUS, diz Pazuello

Crédito: Arquivo/Agência Brasil

Pazuello afirmou que a importação para o setor privado será autorizada pelo governo, mas dependerá do registro de imunizantes na Anvisa (Crédito: Arquivo/Agência Brasil)

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse nesta quinta-feira, 17, que clínicas privadas só devem obter vacinas contra a covid-19 após a rede pública de saúde receber toda a quantidade que necessitar. “Claro que precisa comprar também no privado, mas com prioridade para o SUS, com prioridade ao nosso programa nacional, que é para todos”, disse o ministro em audiência pública no Senado.



Pazuello afirmou que a importação para o setor privado será autorizada pelo governo, mas dependerá do registro de imunizantes na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), além da entrega de doses pelos fabricantes. No caso de vacinas que tiverem a autorização emergencial, apenas o sistema público pode utilizá-las.

+ Lewandowski libera Estados e municípios para comprarem vacinas sem aval da Anvisa
+ EUA revisarão dosagem da vacina contra covid-19 após reações alérgicas

Segundo a Associação Brasileira de Clínicas de Vacinas (ABCVAC), a previsão mais otimista para a rede privada receber estes imunizantes é entre o segundo semestre de 2021 e o primeiro de 2022. O presidente da associação, Geraldo Barbosa, disse ao Estadão no começo de dezembro que não há previsão de vendas a curto prazo. “Somente num segundo momento, quando houver um excedente de produção, será aberta a negociação com o mercado privado”, explicou Barbosa. “E isso está certo. A atitude correta é priorizar quem mais precisa da vacina.”

Em plano de imunização apresentado na quarta-feira, 16, o governo afirma ter 350 milhões de doses em negociação. A expectativa do ministério é vacinar grupos prioritários ainda no primeiro semestre de 2021. O restante da população, nos 12 meses seguintes.



Aos senadores, Pazuello afirmou que já deve receber 9 milhões de doses da Coronavac em janeiro. O governo negocia 46 milhões de doses desse imunizante até março. A compra da Coronavac era assunto delicado no governo. Por divergências com o governador paulista, João Doria (PSDB), o presidente Jair Bolsonaro desautorizou Pazuello, em outubro, e fez o ministério recuar de promessa de compra do produto que é desenvolvido em parceria da chinesa Sinovac com o Instituto Butantã.


Veja também
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Vídeo: Motorista deixa carro Tesla no piloto automático e dorme em rodovia de SP
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Lago Superior: a melhor onda de água doce do mundo?