Estilo

Rede Kempinski terá seu primeiro Resort no Brasil

Totalmente reformado, hotel Laje de Pedra ganha chancela do grupo de origem alemã especializado em receber turistas de alto poder aquisitivo.

Crédito: Divulgação

PAISAGEM O projeto de reforma do hotel em Canela (RS) valoriza a vista para o Vale do Quilombo com novas áreas de lazer, incluindo uma piscina no rooftop. (Crédito: Divulgação)

Fundada em 1897, em Berlim, e hoje com sede em Genebra, a rede Kempinski Hotels está presente em 34 países, com 78 empreendimentos de luxo — e nenhum deles na América do Sul. Essa lacuna no portfólio deverá ser preenchida até 2024, quando está prevista a reinauguração do Hotel Laje de Pedra, em Canela (RS). O endereço que marcou a história do turismo na Serra Gaúcha, com sua vista espetacular do Vale do Quilombo, com uma falésia de 400 metros, foi escolhido para “criar um novo paradigma em hotéis de lazer de altíssimo padrão no Brasil”, segundo seus novos proprietários.

Para o CEO e presidente do Conselho de Administração da Kempinski Hotels, Bernold Schroeder, a ideia por trás da aquisição do Laje de Pedra foi “trazer esse ícone arquitetônico de volta à vida e posicioná-lo como um destino do mais alto nível”. Inaugurado em 1978, o Laje de Pedra foi eleito várias vezes o melhor hotel do Brasil. Um de seus salões serviu de palco para a assinatura do Tratado do Mercosul, em 1992. Mas seus dias de glória ficaram no passado.

Divulgação

Em 2020, depois de ter enfrentado um período de decadência sob a gestão do Grupo Habitasul, o hotel foi adquirido pelos sócios José Paim, José Ernesto Marino Neto e Márcio Carvalho. “Por ser de família gaúcha, conheço o Laje de Pedra desde a sua inauguração e, como todos que já estiveram por lá, tenho uma relação afetiva com aquele lugar”, afirmou Paim no final de agosto. “É um dos locais mais lindos em que já estive, com grande significado histórico e distinção — premissas da Kempinski.” O fato de a região ter sido colonizada por imigrantes alemães também pesou no interesse do mais antigo grupo hoteleiro europeu para ingressar no mercado sul-americano. Soma-se a isso, claro, o perfil do público que frequenta a Serra Gaúcha, onde já funcionam os luxuosos Colline de France e Saint Andrews, ambos na vizinha Gramado.

RESIDÊNCIAS O plano de reestruturação do hotel pretende preservar traços de sua arquitetura modernista e acrescentar novos ambientes à área total de 61 mil m². Serão 357 apartamentos, quatro restaurantes e cinco bares. Entre as novidades estão a piscina no rooftop, o bar com lareira aberta, a academia de 1 mil m² e o spa. Além da operação hoteleira, o Kempinski Laje de Pedra terá residências privadas com mordomo, adega e garagem privativas individualmente fechadas. Elas poderão ser adquiridas pelo sistema de propriedade compartilhada.