Negócios

Rede de produtos contra Covid-19 expande em lojas fechadas de shopping

Crédito: Reprodução/WSVN

A empresa é a primeira rede de lojas nos EUA focada apenas em produtos contra o Coronavírus, principalmente máscaras faciais com designs diferentes. (Crédito: Reprodução/WSVN)

A pandemia gerou uma nova onda de empresas que procuram entrar em um mercado crescente de equipamentos de segurança. E foi justamente nesse nicho que surgiu a rede Covid-19 Essentials.

A empresa é a primeira loja nos Estados Unidos focada apenas em produtos contra o coronavírus, principalmente máscaras faciais com designs diferentes. As estimativas do mercado americano, apenas para as máscaras, vão de US$ 1 bilhão a US$ 9 bilhões em vendas até 2021, presumindo que 50% da população dos EUA usará este acessório no próximo ano.

+ Crise e coronavírus: uma combinação às vezes ‘impossível’ para empresas na Argentina
+ Mundo ultrapassa 40 milhões de infectados pelo novo coronavírus

“Tudo foi fechado em março e abril. As pessoas estavam vendendo essas máscaras médicas que não eram as mais confortáveis. Eu pensei que se todo mundo vai ter que usar máscaras, por que não deixá-las mais confortáveis ​​e colocar a moda nisso”, disse Nadav Benimetzky, cofundador da rede, em entrevista para a CNN.

Junto com seus irmãos tiveram a ideia de procurar lojas que fecharam nos shoppings. “Encontraríamos uma vazia e assumiríamos”, afirmou o empresário. Já são oito estabelecimentos da marca no país. A primeira loja Covid-19 Essentials foi inaugurada em junho, em Miami. Outras foram abertas em Nova Jersey e em Las Vegas.

A Covid-19 Essentials vende uma grande variedade de máscaras faciais, inclusive modelos personalizados. Aqueles que desejam desembolsar um pouco mais, US$ 129 para ser exato, podem optar por uma “máscara elétrica”, que tem uma bateria recarregável e “um ventilador para refrescar o rosto”, afirmou Benimetzky.

As lojas também vendem alguns outros produtos, como a desinfecção de luzes UV e dispositivos que permitem acionar botões de elevador ou teclados sem tocar. Benimetzky não revelou quanto investiu até o momento na abertura de todas as lojas, mas disse que recuperou o investimento inicial.

O empresário disse estar ciente de que a sobrevivência das lojas pode ser de curto prazo. “Sabemos que isso pode durar pouco. No dia em que a pandemia acabar, passaremos para outro novo conceito.”,  acrescentou.

 

 

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?