Economia

Recuperação da economia global continua, mas riscos crescem, diz FMI

A economia mundial continua a demonstrar um bom momento de crescimento, mas os próprios fatores que ajudam a impulsioná-la começam a intensificar suas vulnerabilidades e desequilíbrios externos, afirma o Fundo Monetário Internacional (FMI).

“Embora os riscos de curto prazo tenham ficado mais equilibrados, os riscos negativos continuam a dominar no médio prazo”, diz o relatório, divulgado por ocasião da cúpula de líderes do G-20, que acontece entre ontem e hoje, na Alemanha.

Entre os destaques, a entidade citou o crescimento às custas de crédito e expansão fiscal na China, que “agrava sua vulnerabilidade financeira”, e o ambiente de baixos juros e altos níveis de empréstimos inadimplentes continua pressionando a lucratividade do setor financeiro.

Além disso, a economia global continua refém de problemas como o baixo crescimento da produtividade e a distribuição desigual dos ganhos econômicos, “especialmente nas economias avançadas”.



Em suas considerações, o fundo pediu aos países, entre outras coisas, que trabalhem juntos “para maximizar os benefícios da integração global”. “Um arcabouço multilateral forte e baseado em regras continua essencial” para este objetivo, diz o relatório, e será mais efetivo “caso os países engajem em um diálogo com vistas à modernizar e adaptar as regras às mudanças globais.” (Marcelo Osakabe)

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel