Edição nº 1096 15.11 Ver ediçõs anteriores

Reajustes no setor público são um tapa na cara da população

Apesar do rombo nas contas públicas, o presidente Michel Temer autorizou os reajustes salariais

O Brasil está no vermelho. Há vários anos, o rombo das contas públicas vem superando a marca dos R$ 100 bilhões. Em 2019, qualquer que seja o presidente da República, o problema se repetirá. Eis que, neste contexto, o governo federal resolveu promover uma farra fiscal com a conivência dos principais candidatos.

Na quarta-feira 29, o presidente Michel Temer bateu martelo em dois reajustes salariais. Um para juízes federais e outro para 23 carreiras de servidores públicos da União. Na ponta do lápis, serão gastos mais R$ 8 bilhões em 2019, fora eventual efeito cascata em Estados e municípios. Por mais justa que seja a reivindicação dos servidores – a inflação realmente corrói o poder de compra ao longo dos anos –, o momento é totalmente inadequado. Falta bom senso em Brasília.

Como o País, felizmente, tem um teto para os gastos públicos em vigor, essa farra fiscal vai obrigar o próximo presidente a cortar recursos equivalentes em outras áreas. As vítimas serão a saúde, a educação, a segurança pública, os programas sociais e os investimentos. São todos cortes burros e que jogam contra a sociedade e o crescimento econômico.

Alguns dirão que é melhor, então, acabar com a regra do teto, que congela por dez anos (renováveis por mais dez anos) o orçamento federal em termos reais (descontada a inflação). Lamento informar que essa não é a melhor solução. Se com o teto em vigor, já há farra fiscal, imagine sem teto. A Reforma da Previdência Social, por exemplo, seria empurrada com a barriga durante muitos anos.

Mais grave do que a decisão do atual presidente, já em clima de fim de governo, é a omissão dos principais candidatos. Ninguém tem coragem de se posicionar contra os servidores públicos. O silêncio é uma covardia com os eleitores. E a farra fiscal, um tapa na cara da população.


Mais posts

O “dream team” de Bolsonaro na Economia

Olá, pessoal, tudo bem? Das poucas coisas esclarecedoras que o período eleitoral nos proporcionou foi a nomeação antecipada do ultraliberal Paulo Guedes para ser o superministro da Economia de Jair Bolsonaro. Guedes, que vai comandar a Fazenda e o Planejamento, vem divulgando nomes técnicos e qualificados para a sua equipe, o que agrada o mercado […]

O silêncio ensurdecedor de Bolsonaro e Haddad

Olá, pessoal, tudo bem? Tenho uma confissão a fazer. Vibrei quando o resultado das urnas mostrou que nós teríamos o 2º turno na eleição presidencial. A minha vibração não tem nada a ver com a colocação dos candidatos, pois continuo tendo uma postura completamente apartidária. Fiquei empolgado com a possibilidade de um amplo debate sobre […]

Vote com o estômago e não com o fígado

Faltam poucos dias para o 1º turno das eleições. É natural que a disputa à Presidência da República centralize as atenções de todos e é sobre ela que falaremos aqui, no blog “Decomplicando a Economia”. No entanto, vale destacar a importância de boas escolhas para os governos estaduais, que, em sua maioria, vivem numa completa […]

Na festa do PIB, brilhou o risco eleitoral

Na noite da quinta-feira 13, em evento na cidade de São Paulo, a Editora Três celebrou mais uma edição de AS MELHORES DA DINHEIRO. Trata-se da principal premiação empresarial do País, na qual as melhores companhias de 26 setores são destacadas pelo seu desempenho nas seguintes áreas: gestão financeira, governança corporativa, responsabilidade social, recursos humanos […]

Reajustes no setor público são um tapa na cara da população

O Brasil está no vermelho. Há vários anos, o rombo das contas públicas vem superando a marca dos R$ 100 bilhões. Em 2019, qualquer que seja o presidente da República, o problema se repetirá. Eis que, neste contexto, o governo federal resolveu promover uma farra fiscal com a conivência dos principais candidatos. Na quarta-feira 29, […]

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.