Reajustes no setor público são um tapa na cara da população


Apesar do rombo nas contas públicas, o presidente Michel Temer autorizou os reajustes salariais

O Brasil está no vermelho. Há vários anos, o rombo das contas públicas vem superando a marca dos R$ 100 bilhões. Em 2019, qualquer que seja o presidente da República, o problema se repetirá. Eis que, neste contexto, o governo federal resolveu promover uma farra fiscal com a conivência dos principais candidatos.

Na quarta-feira 29, o presidente Michel Temer bateu martelo em dois reajustes salariais. Um para juízes federais e outro para 23 carreiras de servidores públicos da União. Na ponta do lápis, serão gastos mais R$ 8 bilhões em 2019, fora eventual efeito cascata em Estados e municípios. Por mais justa que seja a reivindicação dos servidores – a inflação realmente corrói o poder de compra ao longo dos anos –, o momento é totalmente inadequado. Falta bom senso em Brasília.

Como o País, felizmente, tem um teto para os gastos públicos em vigor, essa farra fiscal vai obrigar o próximo presidente a cortar recursos equivalentes em outras áreas. As vítimas serão a saúde, a educação, a segurança pública, os programas sociais e os investimentos. São todos cortes burros e que jogam contra a sociedade e o crescimento econômico.

Alguns dirão que é melhor, então, acabar com a regra do teto, que congela por dez anos (renováveis por mais dez anos) o orçamento federal em termos reais (descontada a inflação). Lamento informar que essa não é a melhor solução. Se com o teto em vigor, já há farra fiscal, imagine sem teto. A Reforma da Previdência Social, por exemplo, seria empurrada com a barriga durante muitos anos.

Mais grave do que a decisão do atual presidente, já em clima de fim de governo, é a omissão dos principais candidatos. Ninguém tem coragem de se posicionar contra os servidores públicos. O silêncio é uma covardia com os eleitores. E a farra fiscal, um tapa na cara da população.


Mais posts

Declaração de Guedes sobre domésticas na Disney foi muito infeliz

Olá, pessoal! Tudo bem? Quem acompanha o meu trabalho sabe que eu elogio constantemente a agenda econômica do ministro Paulo Guedes. [...]

O que já podemos aprender com os riscos em 2020?

Olá, pessoal! Tudo bem? O mês de janeiro passou como num estalar de dedos, mas esse início de ano nos trouxe inúmeras lições [...]

2020 será o ano do crédito. Isso é bom?

Olá, pessoal! Tudo bem? No apagar das luzes de 2019, gostaria de escrever algumas linhas sobre 2020. Conforme tenho repetido em artigos [...]

O Brasil está crescendo quase o dobro. E pode avançar mais!

Olá, pessoal, tudo bem? Nos últimos dias, diversos indicadores econômicos vieram acima das expectativas dos analistas, sinalizando uma [...]

STF é fonte inesgotável de insegurança jurídica

Olá, pessoal, tudo bem? O julgamento da constitucionalidade da prisão em segunda instância no Supremo Tribunal Federal (STF) ainda não [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.