Giro

Quinze missionários dos EUA sequestrados no Haiti

Quinze missionários dos EUA sequestrados no Haiti

No país caribenho Haiti, que está em crise, pelo menos 15 missionários americanos foram sequestrados por uma gangue armada - AFP/Arquivos

Cerca de 15 missionários americanos foram sequestrados no sábado (16) por uma gangue criminosa na periferia de Porto Príncipe, disse à AFP uma fonte de segurança haitiana.



Entre 15 e 17 americanos, entre eles crianças, estão nas mãos de um grupo armado que há meses realiza sequestros e roubos na região localizada entre a capital do Haiti e a fronteira com a República Dominicana, afirmou a fonte, que disse não poder confirmar se os sequestradores pediram pagamento de resgate.

“O bem-estar e a segurança dos cidadãos americanos no exterior é uma das nossas principais prioridades no Departamento de Estado. Sabemos desta informação e não temos nada a acrescentar no momento”, comentou com a AFP um porta-voz do governo dos EUA.

Na manhã de sábado, a gangue denominada “400 mawozo” desviou vários carros que transitavam por estradas que controla e sequestrou os americanos e cidadãos haitianos.

Os missionários e seus familiares voltavam de uma visita a um orfanato a cerca de 30 km de Porto Príncipe, disse à AFP uma fonte do serviço de segurança.



Para alguns membros dessa organização religiosa sediada em Ohio, EUA, esta era sua primeira viagem ao Haiti.

Em abril, 10 pessoas – incluindo 10 religiosos franceses – foram sequestradas por essa gangue na mesma região.

Libertado após 20 dias de cativeiro, o padre Michel Briand disse então à AFP que o grupo estava “em um lugar ruim, em um momento ruim” e que quem os sequestrou não planejou isso.

As gangues armadas, que durante anos controlaram os distritos mais pobres da capital haitiana, ampliaram seu poder para Porto Príncipe e seus arredores, onde o número de sequestros extorsivos está aumentando.

Mais de 600 crimes deste tipo foram registrados nos primeiros três trimestres de 2021, contra 231 no mesmo período de 2020, segundo o Centro de Análise e Investigação em Direitos Humanos, com sede na capital haitiana.

Uma profunda crise política paralisa o desenvolvimento socioeconômico do Haiti há muitos anos.

O assassinato em 7 de julho do presidente Jovenel Moïse por parte de um comando armado em sua residência privada mergulhou ainda mais o país caribenho na incerteza.


Veja também
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Vídeo: Motorista deixa carro Tesla no piloto automático e dorme em rodovia de SP
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Lago Superior: a melhor onda de água doce do mundo?